domingo, 4 de abril de 2010

Às Margens Do Rio Una (Conto Cotidiano)


Viviane foi uma criança feliz. Garota saudável e sapeca...
Brincava com os irmãos de bola de gude e amarelinha, gostava de futebol, pião, e tantas outras brincadeiras de criança. Porém, dentre todas... preferia o jogo de pedras – ela quebrava pedaços de telhas, em tamanho pequeno e iguais e os ralava no chão, para lhes dar o acabamento necessário –, esse jogo, era feito com cinco pedras, e as crianças assentavam-se ao chão e iam com destreza as jogando para o alto e as pegando de volta, a cada etapa vencida, ia sendo mudada a forma do jogo. Ah!... Como ela jogava bem...
Nós éramos vizinhas, morávamos em uma cidade interiorana, onde passamos toda a nossa infância e parte da nossa adolescência.
Lembro com muita saudade, desse tempo de inocência, da nossa infância, vivida na pacata cidadezinha banhada pelo rio Uma – Palmares –. A nossa casa – pois, morávamos lado a lado –, tinha um quintal comprido e lá no final da cerca, havia um portão, que ao abri-lo..., para a surpresa de muitos, bem aos nossos pés, passava o rio..., o rio Una! Rua Maurity. Que felicidade! Eu ficava a observar os pássaros – às lavadeiras –, sobre as pedras, bebericando das águas do rio, que escorriam pedras abaixo, levando tudo quanto nele era lançado... Eu contava meus nove anos de idade, era realmente uma criança inocente, tal qual, a Viviane... O meu irmão mais velho tinha uma varinha de pesca e junto com o irmão de Viviane, pescavam a beira do rio. Alegremente, eu ficava observando a pescaria, falando baixinho, para não espantar os peixes. Eu não tinha muito jeito para a pescaria, porém, a Vivi... Era exímia pescadora.
Pegávamos as varas dos nossos irmãos e lá estávamos nós, na beira do rio, recebendo o vento no corpo e empinando o rosto, para receber às carícias de Deus... Vivi pegava o pão dormido, umedecia e fazia pequenas bolinhas, com muita sabedoria – iscas para os peixes –, pacientemente às colocava no anzol, à medida que os peixes – algumas vezes –, conseguiam roubá-las, sem que ficassem presos. Cada puxão no anzol era motivo de grande euforia. Lá vinha um peixinho brilhando sob o sol, se debatendo, pedindo socorro... Eu os guardava em um cestinho, e depois de longo tempo, ali mesmo, na beira do rio, os tratava junto com a Vivi – eu tinha aprendido cedo a tratá-los –. Uma das brincadeiras que eu mais gostava, era a de “cozinhado”.
Aos sábados, convidávamos as nossas amigas, para brincar no quintal da nossa casa, a minha mãe ficava nos ajudando, sem interferir muito, para que aprendêssemos a lidar, com os alimentos. Cada uma levava um alimento. Preparávamos o nosso almoço, sobre o fogo preparado ali mesmo no quintal, embaixo dos pés de mangueiras. Três tijolos serviam de base – era o nosso fogão – e, com euforia, colocávamos as vasilhas, emprestadas por minha mãe, sentíamos que éramos responsáveis. A mamãe cuidava do fogo – posso dizer mesmo, que, ela era uma criança junto a nós –, e cozinhávamos a lenha. Desta forma, aprendemos a cozinhar. Depois de tratar os peixes, eu os levava para minha mãe, que terminava de lavá-los, os salgava e os fritava, para que orgulhosamente, eu os pudesse comer, com inhame ou macaxeira quentinha... Que satisfação! Olhava e via nos pratos da família, os “coitadinhos” bem fritos, alimentando a todos e fazendo a nossa alegria!


EstherRogessi,Conto Cotidiano: Às Margens do Rio Una, Categoria: Narrativa.05/04/10
http://www.Esther.lusopoemas
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...