quinta-feira, 29 de abril de 2010

SOU A PARTE MAIOR (Poesia Loucura)






Sou clara, transparente,


bela e envolvente.


Dou vida, viço...


Sou vida!


Do planeta, sou a parte maior!


Sacio sem distinção.


Sou rios,


sou mares,


sou frágil,


sou forte!


Vivifico... Arraso!


Sou vida e sou morte,


sou tudo, sou nada...


Pelo sedento ansiada.


Do planeta... Sou água!




EstherRogessi, Poesia Loucura: "Sou a Parte Maior" em homenagem ao “Planeta Terra”. Categoria: Poética. Em 29/04/10
Creative Commons License
This
obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

quarta-feira, 28 de abril de 2010

AMIGAS PARA SEMPRE!






                                 






AMIGAS PARA SEMPRE!

Enlacemo-nos no carmesim
da cor do coração, da emoção enfim
... Que, faz juntos caminharem os afins,
em  pura amizade de irmãos...

EstherRogessi, Poesia Minimalista: AMIGAS PARA SEMPRE!29/04/10
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

SER MÃE É DAR TUDO DE SI...!















É simplesmente ser àquela que é sem esquecer-se de ser;


é o ser que sendo, esquece de si, em prol de outro ser;


é o anjo que livra, zela, e se faz escudo;


é o grito mudo, a silente prece;


são os braços que envolvem e aquecem;


é a coberta de carne, ou de pele e osso...


É a que tira da boca, para do filho preencher o vazio;


é a que dele sente a agonia, quer longe, quer perto, quer noite, ou dia!


Ser mãe, nem sempre é ser a que pare!


São ações e reações inexplicáveis...


Vai além de um documento ou assinatura..


De um falso aconchego retratado em moldura!


Mãe..., é a que o filho encontra quando a  procura!




EstherRogessi.Prosa Poética: SER MÃE É DAR TUDO DE SI...! Imagens: Web,28/04/10
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

ÀS BOAS BABÁS (Crônica)








Nesses dias conturbados em que, centenas de vidas carentes de afeto, de alguém que às ouça, como ínfimas partículas no universo, de poderem soltar ao vento às suas dores e desafetos; nesses dias, em que a Net se fez mãe através da Rede NING de milhares, exercendo papéis de psicóloga, operadora de milagres, concedendo aos milhares curas divinas, através de pequenos deuses: poetas e escritores, algumas das vezes anônimos; nesses dias, nesse dia...!


Medito, em quantos de nós, que tínhamos a NING como mãe, não qualquer uma! Falo da mãe de fato. Que não faz diferença entre seus filhos, que não escolhe a quem valorizar mais... Que é imparcial no trato!
Nós, poetas e escritores, aconchegados ao seu colo... Confiando-lhe das nossas vidas os dissabores, nos vemos às vésperas de uma ruptura! De um puxar de colo.


A NING - a nossa mãe -, e às babás, às administradoras de sites, estão a nos deixar, talvez, prossiga quem puder pagar.


Algumas boas babás – que, por muitas vezes fazem mais pelos filhos do que, às próprias mães – exercendo o bom e coerente papel de responsáveis pelos seus filhos – NÓS POETAS-ESCRITORES – se preocupam em nos dá a devida direção, enviando-nos e-mails com endereços de novos sites onde estarão de braços abertos a nossa espera - seus filhos -. Na posição de filha agradecida, venho registrar a minha admiração e apreço às boas babás, no bom sentido, que explicito a seguir: Delasnieve Daspet ( Poetas del Mundo que com zelo nos enviou o seguinte e-mail ):




Sobre o ning‏
De: Delasnieve Daspet - Amigos e Poesia (mail@delasnievedaspet.ning.com)
Enviada: quarta-feira, 28 de abril de 2010 1:51:31
Para: rogessibispa@hotmail.com (rogessibispa@hotmail.com)
Delasnieve Daspet - Amigos e Poesia
Espaço de Amigos e de Poesia
Uma mensagem a todos os membros de Delasnieve Daspet - Amigos e Poesia
boa noite!!!!




Parece que o NING vai começar a cobrar - pelo menos é o que tenho lido...vejam:


http://midiaboom.com.br/2010/04/16/ning-nao-sera-mais-de-graca/


Peguei o endereço de todos - se isso acontecer mesmo - vamos ver como manteremos o grupo - talvez migremos todos para o meu grupo de poesia Luna&Amigos - que mantenho há 10 anos.
Mas vamos seguindo.


Deixei um exericio novo no grupo - para o dia das mães.
Estou saindo de viagem para o FAS - FESTIVAL AMÉRICA DO SUL - EM CORUMBÁ-MS. Retorno no domingo.


um grande abraço a todos.


Delasnieve




Sandra Galante (Encontro de Poetas e Amigos, que gentilmente colocou a nossa disposição o seu novo endereço: http://grou.ps/encontrodepoetaseamigos/home);
Denise Severgnini (Fios do Infinito) que, agiu igualmente, e, outros que, se pronunciaram demonstrando zelo e preocupação para com todos quantos, se acham, até o dia 04/04/10 hospedados em “suas casas.” Com toda “a querida mobília.


O meu "Muitíssimo obrigada!"


EstherRogessi,Crônica: ÀS BOAS BABÁS!Categoria: Narrativa. 28/04/10


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

HÁ IMAGENS QUE FALAM MAIS QUE MIL PALAVRAS.






O QUE TE FALTA PARA SER FELIZ!?





O QUE TE FALTA PARA AGRADECER A CADA DIA?





SE A CADA DIA BASTA O SEU MAL?




EstherRogessi, Escritora UBE Mat.3963.28/04/10

terça-feira, 27 de abril de 2010

ENGENHO DA VIDA




Engenho de verbos
palavras moídas...
O moinho da vida
...Bagaço faz!


Um passo à frente
dois para trás!


O ébrio vagueia
nos olhos areia...
Visão de cristais!
Que ao descerem
tem gosto de sal,
Conservante da carne
... Há bem nesse mal!


Engenho de verbos,
palavras moídas,
Tal qual, é a vida!




O bambu outrora foi cana,
foi doce... Caiana.


No melaço da vida
Puxa-puxa se fez...
Quebrou-se de vez!
Veio o rapa...dura é a vida!
Rapou-lhe o viço!
Negou-lhe guarida.


Engenho da vida,
Palavras benditas,
outras mau_ditas
moinho se fez!


Gozo nas mentes mefistofélicas.
Mefistófeles sadicamente goza!
Do sofrer que n'alma impera;
da felicidade que o ser anela!
O gozador goza_ da_ dor!


No moinho da vida
no engenho do verbo,
o sofredor goza...!
Um gozo doce, suave d'amor,
seu sofrer encerra!
Moendo o moinho segue o escritor!






EstherRogessi: Poesia Livre: Engenho da Vida. Categoria: Poética, 27/04/10
Creative Commons License
This
obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

domingo, 25 de abril de 2010

PRECISO ACREDITAR!







Que satisfação, que alegria eu podia vê naquela aspirante à escritora...   
Que dedicação! Em frente ao PC ela se completava. Seus dedos deslizavam rapidamente por sobre o teclado e o dom de criação literária fluía, como às puras águas de uma nascente. 
Como inquietava aos seus familiares o fato de Doroni se isolar e se dedicar tanto à escrita... Quem poderia entender?
Em um lar onde a guerra estava declarada, contra a sua perseverança em escrever... fluíam obras maravilhosas. A sua serenidade em meio às guerras no seio familiar era impressionante. Havia um riso no seu semblante... Podia-se perceber que, ela se revestia de uma armadura poderosa frente ao PC. Os projéteis que lhes lançavam, não faziam efeito... Simplesmente ela não estava ali! 
Quanta inspiração! 
Existia uma torcida contrária, quanto ao seu almejado sucesso, dentro do próprio lar!E, muitas vezes, enquanto o marido esbravejava e os filhos tentavam desencorajá-la... Simplesmente, ela se fechava em seu mundo imaginário... e, criava , criava...
Começou a escrever para alguns sites literários. E, assim, deu início ao fim do seu anonimato. Logo se destacou. E, mesmo em meio às dificuldades financeiras, pelas quais, a família passava, ela com muito esforço daqui e dalí, conseguia juntar um pouco, sonhando em publicar o seu primeiro livro. 
Pensou ter surgido à oportunidade sonhada... Um site tido por confiável, anunciou uma proposta para publicar sua poesias em um CD livro, vantagens e vantagens, divulgações e tantas outras promessas, fizeram o coração de Doroni pulsar forte e os seus olhos ganharem  aquele brilho, de quem poderia enfim, realizar o início de um grande sonho e mostrar a torcida contrária que, vale a pena perseverar... Confiar!
Seiscentos reais... Para quem juntou durante tanto tempo, com tanto esforço, é uma pequena fortuna. Só Deus sabia das coisas que ela abriu mão, para economizar esse pouco.
A família gritou!
– Você vai depositar dinheiro para os outros? Sem nenhuma garantia? Sem um contrato ou recibo? Nós aqui precisando  pagar às contas de  luz, água, telefone... E, você dando suas economias pra quem não conhece. Vão fazer-te de tola mulher! Quantos concursos, quantas taxas, quanto dinheiro vai embora pelo ralo!
– Eu preciso acreditar Rafael! Eu preciso tentar!
– Pelo menos tenha sabedoria: Fotografe tudo que você puder: o histórico do MSN onde você acertou com o dito site, o preço cobrado, e-mail que você enviou e recebeu, extrato bancário com os dados e data bem visíveis e tudo o mais. Até mesmo às  promessas através de mensagens, faça uma pasta, mulher! FOTOGRAFE!
Não seja boba!
Está certo Rafael. Vou me cuidar, vou fazer assim mesmo, como dizes...
Assim, foi feito! Doroni se precaveu... e, viu que Rafael estava certo.
Ela ainda ora e espera que o site cumpra a sua parte acordada... Há quase um ano. Porém, não sabe até aonde irá à paciência de Rafael!




EstherRogessi, Conto: Preciso Acreditar!25/04/10. Categoria: Narrativa.


SOBRE O TEXTO:
Às muitas falsas promessas virtuais, levam-nos - a nós escritores - a descrença da retidão de caráter nos de mentes manipuladoras e gananciosas... É fato, que, trabalhamos o surreal, porém, prometam-nos o real.




Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License





http://portalliteral.terra.com.br/banco/texto/preciso-acreditar

sexta-feira, 23 de abril de 2010

GOSTO DO TEU GOSTO!





Gosto de te gostar


Degustar


Teu gosto..., gosto!


Boca...


Paladar


Sensibilidade


Habilidade


Gosto...


Do teu gosto,


Uma, duas...


(Dez) gosto...


Nunca!


Doce:


Canela


Hortelã


Framboeza


Maçã!...


Mousse...


(Leite) Moça


GOSTOSA!






EstherRogessi.Gosto do Teu Gosto! Imagem cópia Web(Poesia Loucura)12/01/2010
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

quinta-feira, 22 de abril de 2010

PALÍNDROMO & TEORIA LITERÁRIA







Na terra do sal de pedra, a grama nasce verde!
Salinas não naturais, cultura de meus iguais...
AMA!
O vôo do pássaro levemente calca o chão,
Inclinando qual gavião a sua
ASA,
ASA A imaginação... AMA!
Ouço uma doce voz à repetir:
AMA...
São teus irmãos!
Na terra do sal de pedra, a grama nasce verde.
Há esperança...
AMARGA GRAMA!
Avião...
Aviador, não
ERRE!
ERRO COMUM QUE ORA OCORRE.
No dedo trago um ARO...
ORO!
Imploro!
No alto da torre
LUZ AZUL...
O vai e vem, vou e volto:
Palíndromo!
Comissário de voo, anúncio rápido...
O BREVE VERBO: A SUA PAUSA.
Invade-me
A DOR... RODA,
O RUDE E DURO
Chão...
Salvador!
Na terra do sal de pedra a grama nasce verde!

EstherRogessi.


Nota: HÁ PALAVRAS IMPLAGIÁVEIS: PALÍNDROMOS. “Opalíndromo é uma palavra, frase ou qualquer outra sequência de unidades (como uma cadeia de ADN) que tenha a propriedade de poder ser lida tanto da direita para a esquerda como da esquerda para a direita. Num palíndromo, normalmente são desconsiderados os sinais ortográficos (diacríticos ou de pontuação), assim como os espaços entre palavras”. Também conhecido pelos nomes de Verso Anacíclico
e
 Verso Sotádico.


São exemplos de palíndromos as palavras: anilina, Ana, ovo, reger, osso, anona, socos, sopapos, Omar, Roma, marram, matam, ralar, ataca, acata, ramo,amor, Raul,luar, aia, rasar, rapar, radar...

Há frases inteiras que se constituem palíndromos.
Quanto maior a frase mais difícil é a sua elaboração.
Abaixo, alguns palíndromos feitos com frases:

a - ). A Rita atira.

b - ) Socorram-me, subi no ônibus em Marrocos.

c - ) Anotaram a data da maratona.

d - ) Assim a aia ia a missa.

e - ) A diva em Argel alegra-me a vida.

f - ) A droga da gorda.

g - ) A mala nada na lama.

h - ) A torre da derrota.

i - ) Luza ama azul.

j - ) O céu sueco.

l - ) O galo ama o lago.

M- ) O lobo ama o bolo.

N - ) O romano acata amores a damas amadas e Roma ataca o namoro.

O - ) Rir, o breve verbo rir.

P - ) Saíram o tio e oito marias.

Q - ) Zé de Lima, rua Laura mil e dez.

R - ) Luza rocelina, a namorada do Manuel, leu na moda da romana: anil é cor azul.

S - ) Até Reagan sibarita tira bisnaga ereta (Chico Buarque).

T - ) A cera causa a sua careca
 - registro de um anônimo -


TEMOS A SEGUIR UM  EXEMPLO DE PALÍNDROMO ESTRUTURADO COM FRASES NO POEMA DE AUTORIA DE EstherRogessi..




CARANGUEJOS CARAMUJOS

Sonhos... Fantasias,
Ficção ou utopia.
Caramujos, caranguejos...
Abundante lama vejo!
Saíram o tio e oito Marias...
O tio que tio não era...
Da lama... Buscando alegria!
Ao endereço:
 Zé de Lima, rua Laura mil e dez.
Esquecendo de lavar a lama – crosta – em seus pés!
Enfraquecidos, exauridos...
Assim mesmo,
 rir, o breve verbo rir,
Ao vento espalha o eco...
Beleza infinda,
 o céu sueco!
Do mangue, do Recife, saem...
Do desconforto, falta de cama, em busca da sonhada fama.
A mala nada na lama...
Nove vidas do submundo... Da plebe, beira do cais...
Vivendo o grande sonho, que não pensaram viver jamais!
Turismo Internacional... Notícia de jornais!
Incongruência, contradição, opostos que se atraem...
Caramujos, caranguejos, que do nordeste saem.
Tornam-se astro e estrelas nas páginas dos jornais.
O lobo ama o bolo;
O galo ama o lago...
 Tudo isso eu escrevo,
E um alto preço pago!...
Procuro notícias deles, e dentre eles sou dama...
Faz tempo que de Recife saí...
Anotaram a data da maratona?
Nada quero perder, uso até mesmo binóculos.
Descuidei-me!
 Socorram-me, subi no ônibus em Marrocos!

EstherRogessi.


EstherRogessi.Palíndromo & Teoria Literária. Categoria: Poética & Narrativa. Fonte: Wikipédia & Scraps do Google.23/07/09

EstherRogessi,Escritora UBE, Mat.3963.

Creative Commons License





Quando descobri o que sou para Deus, a opinião da oposição a meu respeito, perdeu o efeito; quando me conscientizei do que Deus é para mim, dispensei intermediários... estherrogessi@ube.org.br
EstherRogessi
.

O MEU CHÃO!




És minha casa, és o meu chão,

O meu berço... E eu, eterna criança acolhida por ti...

És imenso, és rico em cores..., verde, azul, todas...

És aquarela!És bela! Tens tons de terra...!

Tens sementes... e, as germinas

... És Gera, és Gaia!

Braço que agasalha e que provém o meu sustento.

Alimentas-me e,  por fim... Alimento-te!

Abres-te para dar-me um longo abraço sem braços,

Nesse abraçar... guardas-me, há fusão, somos um!

Um  novo  logo vem, com muito amor o acolhes...

Cíclica existência... Eterno  girar, incansável, indomável!

Quem pode conter-te, deter-te, fazer-te parar?

Quem pode medir-te a palmos ou, ainda...

Percorrer-te totalmente?

Quem pode desvendar-te os segredos?

Quem pode desligar os luzeiros que te alumiam?

 Quer seja noite ou claro dia?

Quem pode suster os teus fundamentos, quando em ira cospes fogo?

Ou...quando os teus mares lavam a terra, levando tudo?

Ó Gaia... Gera, geratriz...

Logo tudo se faz novo!



EstherRogessi, Versos Livres: O MEU CHÃO! Categoria: Poética.22/04/10
http://muraldosescritores.ning.com/profiles/blogs/meu-pesadelo-poesia-loucura#comments
http://www.Esther.lusopoemas
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

segunda-feira, 19 de abril de 2010

OLHOS DE RAIO X (Vilanela)





(Vilanela)

Meus olhos de raio X revelam
és o que menos se espera...
Verdades teus lábios selam.

Teus carinhos quantos anelam
corpo esguio, alteza impera...
Meus olhos de raio X revelam.

Quantos amores por ti velam
Sabes, que minh’alma desespera!
Verdades teus lábios selam,

Sheba Had veludo do Selam
Amor e ódio teu ser tempera...
Meus olhos de raio X revelam.

Feridas abertas meus olhos viram
Arrancaste-me o coração... fera!
Verdades teus lábios selam,

Sou fera, nossos sentimentos nivelam
África... Sheba, fera fere fera!...
Em ti não há verdades disseram,
Meus olhos de raio X revelam.

ALÉM DO ENTENDIMENTO (Soneto)


(SONETO)

Como entender os desígnios dessa vida?

Poderias ter sido o meu amor primeiro.

Quis Deus apresentar-te por derradeiro,

E, assim, ser a minha existência dorida...


Quero bem entender os porquês da vida.

Minh’alma a ti se apegou por inteiro...

Amor metafísico, sentimento verdadeiro

Que subsiste ao tempo, ventos e a partida.


Às aparentes diferenças não existem no amor,

Os opostos se atraem, compensando toda dor.

Os cataclismas da vida, e todo dissabor;


Às muitas lágrimas, o fluir amargo do interior;

Às muitas decepções e os toques de tambor;

Somos amantes... Resistiu o nosso amor!



EstherRogessi, Soneto: Além do Entendimento, Categoria: Poética, 19/04/10
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

sábado, 17 de abril de 2010

O Meu Amigo Luso


Respeitosamente...

O Meu Amigo...
De um sítio, de outro sítio.
O habilidoso..., surpreendente, envolvente, trágico e cômico...
Criativo...ativo; sedento por conhecer o desconhecido;
valente, temente, carente... O homem dispare, multíplice... O de várias faces, tendo só uma...
O luso, inusitado... O sempre apaixonado pela vida, letras, o literato...
O que diz dos meus versos, serem... Esthereotipados... Inusitados?
ABILIOESTHEREOTIPADOS...Crianças somos, seremos e velozes sonhamos,
metafisicamente unidos, alimentados e amantes do mesmo prato... SOPA DE LETRAS!!


EstherRogessi.O Meu Amigo Luso. Prosa Poética.16/02/10

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

RABO-DE-FOGUETE / Conto/Fantasia


Quando criança eu sonhava e, me perdia em sonhos. Queria tantas coisas... e, sempre tinha uma pergunta para a minha mãe: – Mãe... A senhora compra pra mim? Ela dizia com um sorriso: – No natal, seja bonzinho! – Mãe... Papai Noel vai me dá, é?
– Se você se comportar bem!
E eu,cruzando os braços, fazendo um bico de zanga falava: – Esse Papai Noel... Faço tudo pra vê–lo..., em vão! Só posso vê–lo nas lojas, eu queria ver quando ele vem colocar os presentes, no nosso sapato, na árvore, não é Lucas – Lucas era o meu amiguinho imaginário – ? A gente sempre dorme..., não dá pra ver nada!
Chegou o Natal, ah! Que lindo... Quantas luzes!
Às ruas da cidade, as casas, tudo muito colorido e muito belo. Quanto brilho! Admirado, a olhar tudo embevecido, com as mãozinhas apoiando o meu queixo, assentei no meio–fio da calçada. Fixei os meus olhinhos nas luzes dos pisca - piscas, da casa em frente. E, de repente... foram piscando diferente, começaram a girar... girar... comecei a sentir uma tontura leve... como que tivesse sido transladado. Cheguei muito alto... Fui voando de braços abertos, como a brincar de aviãozinho... Ouvi um grande barulho rasgando o céu. Um vento tão forte, que virei muitas cambalhotas no ar... Uau! Foi um avião que passou bem pertinho de mim... Como estou voando alto! E subi com muita rapidez e leveza. Eu não sentia o peso do meu corpo. Olhei para baixo... não havia casas, não podia discernir nada. Lá embaixo... parecia, que, todos os pisca – piscas do mundo estavam reunidos... Eu só via pontinhos iluminados, em toda a terra... Foi quando ouvi nitidamente, aquela gargalhada do papai Noel... OH! OH! OH! OH! Quando olhei, lá vinha ele no seu trenó, não deslizando no gelo, mas, voando rapidamente, deixando um rastro de estrelas brilhantes, que iam se transformando em uma chuva de estrelas que, caiam sobre a terra, levando alegria aos corações que, estavam entristecidos... Uau!
Que maneiro...! E ele disse: - Venha de carona!
– Papai Noel, você está muito rápido... Não posso lhe alcançar! Ele deu a volta e diminuindo a velocidade, me puxou pelo braço, para o trenó. Agora, estávamos eu e o Papai Noel, voando pelo céu, muuito alto...
– Prepara-te criança! Para sentir a alegria, de fazer felizes às crianças do mundo... Vou te levar aos lares pobres e ricos. Vamos distribuir amor, em forma de presentes e laços de fita. Porém, vou eu, mostrar-te o porquê das crianças, nunca me verem... Sou muito rápido!
– E, rapidamente... vi se aproximando até chegar bem pertinho de nós, um belo foguete, de cor vermelha e verde.
-Que bonito! Da sua calda, saia um fogo tão vermelho, quanto a sua cor... Entramos. E logo ele decolou rapidamente. Como se fosse mágica, lá estávamos dentro do foguete. Entrávamos e saíamos rapidamente de cada lar, atravessando as paredes, como se não existissem... e, íamos deixando ao lado das crianças, ou nas árvores de natal, os seus brinquedos, os seus presentes. O foguete estava carregado deles e, quanto mais presenteávamos mais apareciam presentes – nunca deixe de semear, os frutos nascem da semeadura –, eram presentes em caixas grandes e pequenas, de todas as cores e tamanhos. Que sensação maravilhosa... Que presente inesquecível! Eu e Papai Noel, voando alegres, e distribuindo alegria. Semeando as sementes do amor, e da fraternidade... Foi quando ouvi uma voz a falar baixinho: - Ajude-me, ele dormiu sentado na calçada... Pobrezinho! É tão pesado!
Abrindo os meus olhos entendi que, eu estava de volta da viagem espacial, fantasticamente por mim vivida, e jamais por toda a minha vida, esquecida...!
Eu e Papai Noel, juntos, num rabo-de-foguete!

EstherRogessi.Publicado no Recanto das Letras em 02 /12 / 2008 Código do texto: T 1314719
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

PAPAI NOEL DOS ANIMAIS


Ah! Como estou feliz! Como estou ansioso...
Dizia o Lucas filho do nosso caseiro.
– Por que, Kiquinho? – este era o apelido de Lucas – Você ganhou presente?
– Não... O papai disse que só depois da Ceia de Natal...
– Então, por que tanta felicidade?
– Você esqueceu Paolo, que seu pai nos convidou para a Ceia de Natal e que, hoje, vamos todos à sua casa? Vamos cear juntos... abrir os presentes... Uau! Não vejo a hora de ir... Sua casa é muito linda, muito brilhante. O papai disse a minha mãe, que o seu pai é um bom homem. Muito rico, porém, nos trata como se fôssemos da família....
– Kiquinho, minha mãe disse, que o seu pai era muito amigo do meu pai, desde que eram muito jovens mas, seu pai não gostava de estudar e abandonou os estudos cedo. Meu pai era muito estudioso, muito esforçado. Embora, os meus avós fossem muito pobres... Ele nunca deixou de estudar. Trabalhava para pagar os estudos... Tudo que nós temos hoje, foi pelo muito esforço e perseverança do meu pai... Está vendo Kiquinho, como é bom estudar? Nós temos que estudar muito! E nunca esquecermo-nos dos nossos amigos, meu pai não se esqueceu do seu... Por isso, nós hoje somos amigos. Até o meu cachorro é amigo do seu cachorro...
– É verdade, Paolo... Eu posso levar Tufão para a Ceia de Natal?
– Não sei Kiquinho... Vou perguntar a minha mãe: Mãe! O Tufão pode vir com os Norato – este era o sobrenome da família do Kiquinho –, pra Ceia de Natal?
– Meu filho! Não devemos... Não é bom que animais estejam junto as pessoas a hora das refeições, filho!
– Ó mãe, ele é amigo de Sultão!... Amigos ficam juntos no Natal...
– Paolo, não é a mesma coisa com os animais.
– Ó mãe, Você comprou o presente de Sultão! E por que ele não pode ficar com a gente na ceia?
– Não! Deixe de insistir Paolo!
– Paolo, Paolo...!
– Sim, Kiquinho...?
– Eu não sabia que cachorro ganha presente de Natal! Ah! O meu Tufão vai ficar triste, porque o seu amigo Sultão vai ganhar presente e ele, não! Paolo, o que você comprou para o Sultão?
– A minha mãe comprou um osso muito grande pra ele morder, é um osso de brinquedo.
– Ah! É? Eu não sabia que existia isso...

Kiquinho ficou calado... E toda euforia desapareceu do seu rosto. Agora, ele estava preocupado com a tristeza que Tufão iria sentir, por não ganhar presente... E começou a falar com Deus.
– Papai do céu, eu não quero meu cachorrinho triste... Olha papai do céu, eu posso até não ganhar o meu presente, mas, faz Tulfão ganhar um... O Senhor pode falar com Papai Noel... Ele pode dar um presente ao meu cachorrinho.

Lucas ficou todo o dia sem ânimo para brincar. O sorriso constante sumiu do seu rostinho... Enfim, chegou a hora da grande ceia. Lá estavam todos, arrumados em volta de uma mesa muito linda e farta. Todos sorriam alegremente, e, não perceberam que Sultão, o cachorro anfitrião, entrou de mansinho na sala, acompanhado por Tufão... Ficaram deitados embaixo das cadeiras dos seus respectivos donos, no mais completo silêncio. Enquanto que os empregados, muito bem vestidos serviam à mesa, silenciosamente... De repente, a dona da casa ao pegar o talher para cortar o peru, perdeu o controle, a coordenação motora e, o peru foi ao chão! Tufão levantou-se de repente... E, abocanhou o peru, saindo em disparada seguido de Sultão! Todos ficaram perplexos! Olhando uns para os outros, enquanto que as crianças sorriam e Kiquinho dizia: – Obrigado, Deus! Você falou com o Papai Noel dos animais, e ele deu o presente do meu Tufão!

EstherRogessi, Conto Natal: Papai Noel dos Animais, Categoria: Narrativa.17/04/10

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

EU VOCÊ & A LAREIRA...

É Natal!... A alegria que em todos percebo, a minha alma contagia. Aumenta-me o desejo, de poder te olhar nos olhos, e assim, com muito amor, te abraçar; curar-me da saudade doída, que tanto me maltratou; sentir o teu cheiro, que se perdeu no ar. Lembro... Que era muito bom! Esquecer as dores passadas. E, tudo no passado deixar... Às feridas que foram abertas, sangraram sem estancar... Usei de tudo, não deu certo... Até que aprendi a perdoar!
Dezoito anos se foram... Sem poder contar contigo, sem contigo partilhar das alegrias do natal. Os nossos filhos, não são mais crianças – embora o sejam eternamente para mim –, seguiram rumos diferentes, tem suas vidas independentes, moram fora do país. Deles recebi presentes e cartões, desejos de que eu seja feliz! Como sê-lo? Eu sou daquelas criaturas que, amam uma só vez na vida! Há pessoas que fazem das suas vidas, um laboratório de amor... Estão sempre propensas a novas experiências. Contento-me com as boas lembranças! E, agora... Depois destes longos anos, arrumei a casa com esmero, estás voltando para mim...
Decorei tudo de acordo com a época. Preparei a lareira, que está queimando, tal qual, o meu coração... Nada mudou! Estou a sentir a mesma emoção... de quando te esperava para namorar, e, na saída te levava ao portão, quando enfim, podíamos nos beijar.
Tão jovens éramos... Tão felizes fomos!
Do infernal desencontro... Prefiro não mais falar!
Chegas no voo das 23h00min. Espero-te! E, a noite passarei aconchegada em teus braços, no calor da lareira, feliz... Sorrirei e de alegria sei que irei chorar!


EstherRogessi, Conto: Cotidiano,17/04/10

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Laço de Amizade (Poetrix)


Encontro de poetas pelos sítios da vida
fazem a estrada mais florida...
Bouquet enfeitado com laço de fita.

EstherRogessi, Poetrix: Laço de Amizade.16/04/10
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

AOS DE CORAÇÃO PURO... TUDO LHES É PURO!



(I Reis 1. 1-4) Sendo, pois, o rei Davi já velho e entrado em dias, cobriam-no de vestes, porém não o aquecia.

...2- Então disseram –lhe os seus servos: Busquem para o rei, nosso senhor, uma moça virgem, que esteja perante o rei, e tenha cuidado dele, e durma no seu seio, para que o rei, nosso senhor, aqueça.

...3- E buscaram por todos os termos de Israel uma moça formosa; e acharam a Abisague, sunamita, e a trouxeram ao rei.

...4- E era a moça sobremaneira, e tinha cuidado do rei, e o servia; porém o rei não a conheceu.

PARÁFRASE:

Nos últimos dias do rei Davi, os males da velhice lhe sobrevieram. Às muitas riquezas, às vestes reais, e o amor de sua amada Bate-Seba, pela qual, pecou contra Deus e, que, a amou apaixonadamente até o seu último dia de vida, não o poupou dos sentires inquietantes, causados pelos cuidados para com o destino do reino.
O frio que o rei sentia, era um frio que nenhuma veste cessava, decorrente de uma febre emocional, por saber que, próximo estava o seu dia.

Ele bem conhecia os filhos que tinha.

Nesse ínterim, Adonias – o seu filho, que, nascera após Absalão – revelou-se traidor do próprio pai e do seu sucessor ao reino, por direito – Salomão.

Porém, os seus servos, com muito zelo por seu senhor desejavam, amenizar-lhe os sofrimentos últimos e, assim, cuidaram de trazer-lhe a presença e, para os seus cuidados, uma jovem virgem e formosa.

Ora, é notório que o estado do rei não lhe permitia adentrar, coabitar, sequer, uma mulher de fato, e, menos ainda uma virgem. Se não bastasse, ele – o rei, amava a Bate-Seba, a sua rainha –.

A virgindade da formosa jovem era o simbolismo da pureza que, deveria está na recamara real – no quarto real –.
Estrategicamente, foi cuidado, para que, estivesse com o rei, em seu seio, na sua intimidade, alguém que, desconhecesse os prazeres que um homem pode causar a uma mulher e, sendo ela virgem, sairia virgem, imaculada. A visão era preventiva. Para preservação moral do reino, quanto ao aparecimento de futuros herdeiros ao trono real. Pois, a continuidade do reino, viria através do escolhido pelo rei Davi – Salomão.

Subtendemos portanto, que os servos do rei Davi, por si, não teriam tal zelo e tampouco tal sabedoria. Mas, seguiram as determinações de Bate-Seba a rainha zelosa.

Quantos, deturpam a visão divina. E, blasfemam contra o Santo de Israel, degenerando-LHE a visão.

AOS DE CORAÇÃO PURO... TUDO LHES É PURO!
EstherRogessi, Mensagem: Aos de Coração Puro...Tudo Lhes é Puro! 17/04/10.
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

terça-feira, 13 de abril de 2010

A SABEDORIA QUE VEM DO ALTO

(Tg 3.13) QUEM DENTRE VÓS É SÁBIO E INTELIGENTE? Mostre, pelo seu bom trato, as suas obras em mansidão de sabedoria.
(Tg 3.14) Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
(Tg 3.15) Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
(Tg 3.16) Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa.
(Tg 3.17) Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.
(Tg 3.18) Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.
(Tg 4.1) Donde vem as guerras e pelejas entre vós? Porventura, não vem disto? A saber, dos vossos deleites que nos vossos membros guerreiam?
(Tg 4.11) Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão e julga a seu irmão, fala mal da lei e julga a lei;e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas, juiz.
(Tg4. 12) Há um só Legislador e um , juiz que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?

EIS QUE O MOMENTO É PROPÍCIO... Diante das catástrofes que, ora, se nos tem apresentado; da tamanha dor que temos presenciado nas vidas de pessoas que, jamais imaginaram para si tal aflição – perdas materiais e/ou afetivas –, é de bom senso que paremos e possamos refletir. Façamos uma análise, sobre cada uma das nossas vidas. Sobre o fato de ter tido Deus nos permitido o bem-estar familiar e nos provido, em áreas que, nesse momento caótico, para tantos quantos, ora, são vítimas da revolta da natureza, por se ver invadida e mal tratada, pensemos e tomemos atitudes dignas, de solidariedade, não apenas para com alguns, mas, para com o ser humano sem distinção. Sejamos solidários, não só arrecadando víveres, de uma forma geral, para os que tudo perderam menos a vida. Mas, em orações, em palavras de construção, de ânimo. Exerçamos o dom de socorros, não só para com alguns, porém, para os de perto e os de longe. Como amarei quem não conheço e me empenharei em ajudá-los, se não for capaz de amar e entender e apaziguar os conflitos internos, da minha própria casa – a palavra branda desvia o furor –, que ora, espiritualmente desmorona? Os morros, às encostas estão ruindo... Reação das ações impensadas do invasor. Haverá um dia de juízo para todo infrator de forma direta ou indireta.


Somos responsáveis por cada uma das nossas ações e palavras. Há palavras, que nos sobrevêm como que, ácido sobre a carne... e, que penetram mais fundo que o punhal! E, sobre cada uma dessas; sobre o efeito de cada uma delas, prestaremos contas a Deus. Não se pode ser bom, por amar só a quem decidimos amar. O que seria de nós, se assim, agisse Deus? Pois, não somos perfeitos, estamos sim, buscando a perfeição e , quando chegarmos a estatura de varões perfeitos, Ele nos guardará para que não nos corrompamos. Em suma: sejamos sim, solidários com todos quantos, estão a sofrer, sem que possamos ficar despercebidos dos que ferimos com palavras contrárias ao Espírito de Deus, os fazendo desmoronar, tal qual, às encostas do Rio.
“Que o Deus de paz, nos faça abundar em paz. Oremos pela paz da cidade, pois, dela depende a nossa paz!”


EstherRogessi, Mensagem: A Sabedoria Que Vem do Alto,Categoria: Narrativa,Fonte Bíblia Sagrada.14/04/10
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

O NOSSO PLANETA TERRA



Contemplo a amplidão do céu, mar, terra e ar...
Riquezas inarráveis, beleza infinita...
No céu voo alçado por um pássaro afugentado, pelo tiro disparado,de um caçador irado,
que nele não vê beleza...
Predador, contraventor, da bela natureza!
O nosso planeta terra se encontra ameaçado...
Caçadores, pescadores, e os tais incendiários,
que devastam nossos campos, tacam fogo no plantio, da cana-de-açúcar ouço o assovio; de um pássaro o triste canto!
Bem-te-vi, bem-te-vi...
Bem que vi o bem-te-vi, dizer ao homem desalmado num falar codificado:
Bem-te-vi! Bem-te-vi... Nas matas descer o machado; bem-te-vi... Troncos seculares tombados.
O planeta está irado... Os mares revoltados, os morros e às encostas, invadidas, logo mostram estarem sendo incomodados...
Quero voltar ao passado!


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Acróstico: Homenagem ao confrade SONEKKA

Sensitiva sonoridade emana do teu profundo
Olhos ansiando vislumbrar o almejado...
Nas suas canções melodiosas há um bálsamo
Ele é o homem melodia, alegria, interação,
Kambo com certeza não é,
Kaiser Slauter são os seus sons...
Amor é a sua essência, é contado entre os bons.



Esther Rogessi, Acróstico: Homenagem ao confrade SONEKKA/CAPPAZ,28/03/10.
Recife /PE em 28 de Março/2010 às 8h35min

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

sexta-feira, 9 de abril de 2010

A Família:Primazia de Deus


Estamos em um tempo em que a inversão de valores, infelizmente tem sido uma constante em nossas vidas, mudando o sentido ético e moral do ser. Levando-o a esquecer os ensinamentos e as verdades cristocêntricas, induzindo-o a banalização do pecado, onde a ordem e a decência assumem valores antagônicos a visão divina. Formando uma visão degenerada de modernização e a incutindo em si.

Sabemos que a família é o centro do equilíbrio em Deus. E que, a união dessa, a submissão dos seus ramos ( filhos), em obediência aos seus genitores, formará uma nação ordeira. Devemos primar pelos bons ensinamentos, e, digo isto, concernente a educação familiar. "Instrui a criança e não será preciso punir os homens" (Pitágoras).

A visão moderna e, nem por isso, certa, é de que todos têm que abundar em bens materiais, assim sendo, filhos são criados por babás, ou creches, assumindo costumes, que não os de suas raízes, longe dos pais, do seu zelo e do seu amor. Pouco tendo a oportunidade do convívio familiar e com as pequeninas coisas em família, que fazem a total diferença no crescer e nas lembranças futuras da criança, que tanto influenciarão no seu "psipuê."

Quando em casa é a TV, a fazer o papel de babá... A criança para! Vive como estátua, não exercita o corpo, nem a fala e, assim, segue sem que receba a atenção e o carinho que lhe é devido. A mamãe está sempre tão ocupada...

A criança vai crescer em revolta, apesar de todo o conforto, lhe falta o colo dos pais e a esses ninguém, nem coisa alguma suplantará! Haverá sempre uma lacuna, uma tremenda carência, que jamais será preenchida. E, por mais mordomias que ela possa ter, vai desejar ter bem menos, em troca da atenção e do amor que lhes é negado.

Lembro-me de uma criança que, em visita aos avós, estava frente a TV, pois, a avó estava a usar o PC. A criança, chamando a atenção da avó, disse: -Vem, vó, brincar...

E, a vó, querendo terminar o que estava à fazer, lhe respondeu: - Espere um pouco, estou indo!

A criança insistiu: -Não gosto de ficar só!

A avó se apressou em responder: -Mas, você não está só, eu estou aqui! E, você está assistindo TV...

A criança respondeu, perguntando: -E a TV é minha família, é vó?

-Imediatamente, a vó, largou tudo para dá a devida atenção ao netinho...

Se os nossos filhos tiverem menos mordomias e mais amor... Serão eternamente nossos!

A carência afetiva familiar leva a criança, o jovem, a descobrir algo novo que suplante o vazio existente em cada um.Surgirão as más amizades, as drogas, a marginalidade, o caos, o terrível despertar da família, as perdas catastróficas!

Que Deus nos ajude a valorizarmos mais a família do que às riquezas.

Disse David O. Mackay: "Nenhum sucesso vale o sacrifício de um lar!"

Com amor:
EstherRogessi.A Família:Primazia de Deus.

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

quinta-feira, 8 de abril de 2010

TODOS SOMOS PRECONCEITUOSOS!

Define-se lexicamente a palavra preconceito, como que, sendo o ato de conceituar, de se chegar a uma conclusão própria e indevida sobre fatos, pessoas e/ou atos, oriundos dessas, esquivando-se totalmente do que se lhe apresente contrário a sua índole.
Há quem questione e até mesmo não aceite – preconceito – o fato de um religioso (a) e/ou mais ainda, de um líder religioso (a) exercer certos ofícios, tais quais, ‘Literatura’ e similares; às Artes, de uma forma geral, tanto quanto, a Política.
Esses as definem como que, puramente profanas – escrever, poetizar, dançar ou exercer cargos políticos – deverão, segundo às suas visões, serem ofícios restritos as pessoas que não tem seguimento religioso. Pois, mesmo o membro comum de uma igreja, é mal interpretado pelos desinformados, quando em exercício de uma dessas funções. Questão de desinformação, de pouco conhecimento de Deus.

Temos em Cantares de Salomão ou Cântico dos Cânticos – Bíblia Sagrada –, um belo exemplo da poética sob a inspiração divina.

( Cantares 6.1-5)

6.1 Para onde foi o teu amado, ó mais formosa entre as mulheres?
Para onde virou a vista o teu amado, e o buscaremos contigo?
6.2 O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de bálsamo, para se alimentar nos jardins e para colher os lírios.
6.3 Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele se alimenta entre os lírios.
6.4 Formosa és, amiga minha, como Tirza, aprazível como Jerusalém, formidável como um exército com bandeiras.
6.5 Desvia de mim os teus olhos, porque eles me perturbam. O teu cabelo é como os rebanhos das cabras que pastam em Gileade...

Lindo e lírico é todo o livro de Cantares.

Toda boa dádiva, todo dom perfeito, vem do alto, do Pai das luzes, onde não há sombra nem variação (Tg 1.17).
Nas nossas vidas temos papeis a serem exercidos de forma sábia, coerente e honesta. Disso Deus se agrada. Em que sejamos honestos primeiramente conosco. Os dons de Deus são para serem exercidos e sendo esses de Deus, são para a Sua Glória. Para estruturação, ensinamento, construção e, antes de tudo, devem está sob respaldo bíblico – falo como que, para cristãos – .

Creio, que há um tempo determinado por Deus para cada propósito nas nossas vidas (Ec 3.1) Deus está e estará sempre com todos quantos, O amem e O busquem em espírito e em verdade. Zelemos pela obra de Deus, porém, também pelos dons que Ele nos dotou. Quer espirituais, quer artísticos. Desempenhemos as nossas funções, cada uma delas a seu tempo, para a glória de Deus.

Um oficial do Exército deve desempenhar bem o seu papel, no quartel em que ele serve a Pátria. Porém, chegando a casa, ele tem de saber que a sua esposa e filhos, não são seus soldados. Os jargões e ações, próprias de um militar, devem se restringir ao quartel e jamais ao seu lar. Sendo esse oficial, um cristão protestante, em caso de guerra, ele terá que lutar por sua pátria e desta feita, por ela, matar e morrer.Caso contrário, se tornará um desertor, um fora da lei. De forma que, é inconcebível que não vivenciemos cada papel que a vida nos oferece, em retidão de caráter, exercendo a nossa cidadania, diante de Deus e dos homens.

Concernente a arte literária, o escritor e/ou poeta cristão – exemplifico segundo o cristianismo protestante, por ser esse seguimento religioso o mais “preconceituado”, perseguido e visado – deve agir da mesma forma, sabendo se colocar e assumir a arte que abraçou. Como tal, é seu dever não si preconceituar... Mas, simplesmente deixar fluir o dom. Podemos abordar todos os assuntos; poetizar sobre todos os gêneros sem restrições... Pois, o verdadeiro poeta sabe lidar com os versos, e estruturar com graça e beleza poética, aos eróticos.Quando se escreve ou se poetiza, não devem existir cadeias. O verdadeiro escritor e/ou poeta, não se prende a dogmas, pois, o momento lhe é propício a arte. E, o papel por ele ora, vivido é de um escritor-poeta.Caso contrário, será apenas um cristão que gosta de escrever.

Quanto a Política, podemos defini-la como que, sendo originária do grego pólis (politikós) e, se refere ao que é da cidade, ao urbano. É o poder adquirido de tomar decisões, de comandar a um povo e/ou nação. Comando esse, visando o bem-estar comum de todos e para todos, fora disso, é politicagem peculiar aos politiqueiros. A verdadeira Política é linda...! Terrível é a maioria deles.

Muito desagradável é presenciarmos certos cristãos protestantes, usando o nome do Senhor visando votos em suas campanhas políticas, colocando hinos evangélicos para chamar a atenção dos irmãos.

Vençamos por mérito próprio...!

E quanto ao preconceito, até mesmo, as leis promulgadas para impedi-lo, o SÃO! O que é taxado de preconceituoso, simplesmente deveria ter a liberdade de não aceitar o que o preconceituado defende.
- o pensar e o caráter de cada ser é a sua própria essência -. Ir de encontro a conceitos também é preconceituar.

Em síntese: TODOS SOMOS PRECONCEITUOSOS!!



EstherRogessi, TODOS SOMOS PRECONCEITUOSOS! 05/04/10
http://muraldosescritores.ning.com/profiles/blogs/todos-somos-preconceituosos

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...