domingo, 17 de outubro de 2010

PROFESSOR O QUE COMEMORAR NESSE DIA?


Seria bom que tivéssemos muito a comemorar no “Dia do Professor.” Profissão
magnânima, imprescindível para a formação de futuros cidadãos.

Para que uma nação seja próspera, faz-se necessário que se invista e que se dê prioridade a saúde, educação e cultura do seu povo. Faz-se imprescindível, também, um governo instruído e sábio, em todos os escalões: vereadores, deputados e todos os possíveis etcétaras.


O conhecimento adquirido por cada um desses, do vereador ao presidente, deve-se certamente aos educadores, aos formadores de cidadãos, desde o maternal, até a pós, doutorado, mestrado... De forma que, o que hoje governa a nação o deve aos seus mestres. Porém, lança-os no esquecimento... Muitas dessas “enciclopédias ambulantes” observam hoje, no poder, semi-analfabetos, usufruindo de salários exorbitantes, diante da sofrível realidade salarial brasileira. Com mordomias dignas de uma realeza: carros, combustível, casas, viagens,hotéis,alimentação, roupas, altos salários, além de todas as facilidades criadas, por eles e, para eles. Salário intocável e só acrescido. Quase nenhum, trabalho e muito riso...


O educador brasileiro sobrevive com salário de fome, mesmo sendo enciclopédias vivas e ambulantes; se alimentam mal – pelo salário ínfimo diante da desvalorização da classe, por parte dos que exercem o poder. Desdobram-se indo e vindo a vários centros educacionais, visando uma renda maior, tal como, os profissionais da saúde – que correm a dar plantões em vários hospitais, para sobreviverem com um pouco mais de dignidade, mesmo que – irresponsavelmente –, consultem em tempo Record o que está morrendo na fila de espera - dos postos médicos e hospitais emergenciais -, desde a madrugada.


Diante dessa triste realidade brasileira, até então, não há motivo de comemoração por parte dos nossos educadores. Às conquistas adquiridas, a muito custo, nada são além de direitos que chegaram tardiamente – digá-se de passagem.


Falá-se na possibilidade de o professor do futuro usar a tecnologia, transformando o pedagógico em virtual. Há o risco, de que, futuramente, o profissional de educação se torne mais invisível do que hoje o é? É inegável o poder tecnológico. A informática e suas maravilhosas ferramentas são deveras, sensacionais! Estimulam o aprendizado, dinamizam e focam a atenção de alunos de todas as faixas etárias, para o então desejado. Porém, a figura tradicional do professor interagindo em sala de aula com os seus alunos; o calor humano; o emocional captado por esses profissionais amorosos, que são um pouco: pais, amigos, psicólogos, conselheiros... jamais serão substituídos pela máquina.

(...) “Há a possibilidade do uso da tecnologia e de toda uma infra-estrutura de comunicação a serviço da educação, constitui-se na condição básica para viabilizar um projeto de educação para o novo século. Porém, somente esta condição não é suficiente para criar um modelo pedagógico. É necessário investir na capacitação humana e na preparação do professor, e assim, com certeza termos a figura do professor do futuro”(...)
(Solange Gomes da Fonseca)


O governo brasileiro precisa urgentemente priorizar o investimento em Saúde, Educação e Cultura.


Investir na capacitação humana e na preparação do professor, infelizmente, sem
condição de aperfeiçoamento profissional, e, acesso às novas tecnologias -. O professor do futuro, certamente, estará inteirado e integrado ao mundo tecnológico; informatizado, e, saberá usar e transformar todas às ferramentas possíveis, em metodologias educacionais que possibilitarão, grandemente, um maior aprendizado da minoria - classe abastada-. Sabemos, que, a nossa nação é constituída de uma maioria famigerada, desprovida do próprio alimento, quanto mais, da possibilidade de possuir em seus lares computadores e suas maravilhosas ferramentas tecnológicas. A criança e/ou o jovem que, faz informática gratuita, não tem como praticá-la, por está impossibilitado de possuir um PC.
Com os nossos professores não é diferente. É com grande pesar que, fazemos parte de um país, onde a “Saúde e Educação” estão muito distantes de serem vistos, como que, “Prioridade Nacional.”


Parabéns Professor por o seres... Parabenizarei o teu dia, quando chegar o nosso dia!

EstherRogessi.Artigo:Professor o que comemorar nesse dia? Categoria Narrativa.17/10/10

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

POESIA MARGINAL

Como surgiu a Poesia Marginal?
Qual o conceito de Poesia Marginal?
Qual o objetivo e/ou objetivos?

Na época da Ditadura - anos 70 - a repressão política conduziu poetas e escritores a busca de um poetar livre: da censura, da estruturação erudita, da repressão política, etc.
Dessa forma, surgiu a alternativa de se expressar os múltiplos sentires, com sabedoria e objetividade; fez-se surgir uma poética – por assim dizer – irreverente, porém, não menos poesia. Certamente, que esses poetas, revolucionários, se faziam entender bem.

Hoje, há quem conceitue o movimento como que simplesmente “Cultural.” Diante da necessidade momentânea da época, conceituo - a este - como que: “Movimento Revolucionário Cultural.” Cujo objetivo principal é a denúncia – diante do autoritarismo de um governo ditador, repressor.

Nessa mesma linha de pensamento - a denúncia - poetizou Castro Alves, a favor dos escravos, indo de encontro aos escravagistas da época. Porém, o conceito de Poesia Marginal, no ponto de vista contemporâneo, deve-se ao fato de essa poesia ter sido artesanal: publicada em panfletos e/ou livretos mimeografados e organizados como que livros, grampeados ou não; declamados nas praças, calçadas e vendidos livremente, tais como, os nossos cordéis, nas feiras livres,praças e guetos. Longe dos editores e de suas políticas financeiras “sangues-sunga,” que escravizam - há poucas exceções – o artista e si enriquecem com às suas artes.

Observemos a Poesia Marginal, como que, um “movimento revolucionário literário,” centrado em dois objetivos: a denúncia contra a repressão e todos os males oriundos dessa, e o protesto concernente ao encarecimento dos impressos. Era inviável a possibilidade de os poetas e escritores da época ter às suas obras impressas, tanto quanto, de os leitores terem acesso as mesmas.
Diante desse fato, lembremos de uma paixão nacional que, hoje, segue essa mesma linha - a música -. Onde o império da pirataria, “quebrou” a muitos: cantores e produtores, pelo alto custo cobrado pelos CDs. A pirataria - em parte - tem a ver com um dos objetivos da poesia marginal. Possibilitou a maioria a oportunidade de poder ter acesso a música - de forma incorreta, diga-se de passagem -. Educação e Cultura são de total relevância para uma nação, não só para a minoria – abastada.

Os principais nomes da Poesia Marginal - fins da década de 60 – na época foram Paulo Leminski, Francisco Alvim, Cacaso, Ana Cristina César e Ricardo Carvalho Duarte (Chacal). Carioca, nascido aos 24 de maio de 1951.

Aos 31 anos de idade a poetisa e redatora de jornais Ana Cristina César se suicidou no ano de 1987; aos 41 anos de idade faleceu o poeta Cacaso, por problemas cardíacos, no ano de 1987; após dois anos, em 1989 faleceu Paulo Leminski admirador e experimentador da linguagem concretista.

“Eu hoje acordei mais cedo
e, azul, tive uma idéia clara
só existe um segredo
tudo está na cara”
(Paulo Leminski)

Fogo-Fátuo

Ela é uma mina versátil
O seu mal é ser muito volúvel
Apesar do seu jeito volátil
Nosso caso anda meio insolúvel

Se ela veste seu manto diáfano
Sai de noite e só volta de dia
Eu escuto os cantores de ébano
E espero ela chegar da orgia

Ela pensa que eu sou fogo-fátuo
Que me esquenta em banho-maria
Se estouro sou pior que o átomo
Ainda afogo essa nega na pia.

(Chacal)
Publicado no livro Nariz aniz (1979).
In: Chacal. Drops de abril. São Paulo: Brasiliense, 1983.p.71
(Cantadas literárias. 16)

EstherRogessi.Poesia Marginal, Imagem Web. Art By EstherRogessi.Fonte de Pesquisa Web. 15/10/10


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

CARA DE PAU

A eloquência vestiu-se de mulher...
Palavras brilhantes... d'uma fonte opaca!
Há deliquência na eloquência da mulher,
Pinóquia...cara de pau,nariguda!
Muda o discurso da mesma forma que muda a roupa...
Vestes caras.., jóias raras, seu caráter não muda!

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A NETIQUETA


Ao ligar meu PC deparei-me com um e-mail que me chamou a atenção, por sua frieza - o que já tinha acontecido antes-, aliás, faz parte do perfil da autora essa peculariedade... Lá estava. Redigido de forma mal educada e seca!

Na concepção da autora, um e-mail - em nome da velocidade da luz-, deve ser redigido, com o mínimo de caracteres possível. Afinal de contas, e-mail não é carta é uma rápida comunicação.

Acredito, que, com o mínimo de palavras podemos usar de coerência e objetividade, sem que, jamais esqueçamos a
cortesia e regras básicas de boa educação. Exemplifico, através dos microcontos - tão em alta no TWITTER. E, que se pode contar sobre uma vida e lançar no imaginário, outras tantas, tipo: "Vende-se sapatos de bebê, nunca usado."(Ernest Hemingway) que em tão poucas palavras deixa-nos subtender a história de uma mulher que teve a sua vida embalada pelo sonho de ter uma criança; àquela que seria mãe; que comprou um enxoval para o seu bebê e que teve o seu sonho frustrado. A criança, certamente não chegou a nascer e/ou nasceu morta, ou ainda, algo que não percebemos. O fato é que o sapatinho nunca foi usado.

Objetividade é sempre pertinente, porém, devemos usar de clareza, coerência e bom-senso.

Da mesma forma que existe a linguagem INTERNETÊS – simplificada, abreviada, codificada -, existem regras de boa educação visando a boa convivência no mundo virtual - na web -, a chamada: “NETIQUETA!”

Quanto engano! Ela – a minha amiga – anda totalmente equivocada, quanto ao seu proceder. Educação nunca é demais.

Comecei a ler o tal e-mail que classifico como que a síntese das sínteses:

– enviei a papelada. Confirme!

Como pode? Que absurdo! Isso é forma de se escrever um e-mail? Não se saúda; não se diz ao menos: olá!? Ao término, não se coloca uma breve saudação?
Vou fazê-la sentir como se faz um e-mail:

– Cara Cinthia...
Bom dia e muita paz!

Recebi o teu e-mail. Sou-te grata pela brevidade quanto ao envio da documentação. Muito me ajudará.
Que o teu dia seja promissor.

Atenciosamente:

EstherRogessi.

– Defendo a tese de que nem todo mal é totalmente mal e nesta visão, aproveito e compartilho com os leitores, algumas normas da web.

A NETIQUETA

1- Não é aconselhável o uso de maiúsculas nos emails, MSN,salas de bate-papo etc. Na internet as maiúsculas significam GRITAR. Se for problema de visão, aumente o Nº da Fonte.

2- Jamais repasse correntes.

3- Quer-se enviar arquivos pesados, pergunte antes se pode. Hoje, muitas empresas já partilham arquivos através de FTP – File Transfer Protocol ( Protocolo de Transferência de Arquivos), o que facilita a vida de muita gente. Mas nas relações pessoais, m arquivo pesado pode complicar a vida do destinatário ( o arquivo corre risco de não abrir ou travar o computador).

4- Para vários remetentes utilize a opção cópia oculta, respeitando dessa forma a privacidade de todos.

5- Não demore uma eternidade para responder um e-mail, um SMS, um DM ( Direct Messager do Twitter). Se estiver completamente impossibilitado de responder,no email utilize a opção resposta automática.

6- Não esqueça os termos cordiais de saudação/despedida no início e no final do email: Olá, como vai?, bom dia, boa tarde, etc.E, até mais, um abraço, atenciosamente, grato pela atenção, etc.

7- Ao responder emails longos, no corpo do texto tente separar cada questionamento, respondendo por blocos (dando um espaço para cada resposta). Isso facilita a compreensão e leitura.

8- Ao participar de um foro de debates on-line, respeite as opiniões dos demais, mesmo que essas opiniões sejam totalmente diferentes das suas. Não transforme o fórum num campo de batalha.

9- Não anexe no corpo do e-mail variadas animações e emoticons (bichinhos,bonequinhos,florzinhas). Deixe esse tipo de intimidade para partilhar com pessoas íntimas.

10- Ao convidar alguém para ser seu (a) amigo (a) numa das redes sociais (Badoo, Facebook.Orkut etc) envie junto com o pedido uma breve saudação, tipo: olá, posso te add? Se a pessoa não sabe de quem se trata, será útil uma apresentação prévia: sou Fulano de tal que trabalha na empresa tal. Ou: sou Fulano, amigo de Sicrano.

A LINGUAGEM CODIFICADA: O INTERNETÊS

vc = você ans=anos
blz = beleza axo=acho
fds= fim de semana q=que
net=internet nd=nada
tb=também ñ=não
tah=está a v =a ver
tc=teclar xau=tchau
flw=falou att=atualizar
fmz=firmeza add=adicionar
tdo=tudo bjs=beijos
qdo=quando abs=abraços
pq=porque neh=né
eai=oi mg=comigo
qnt=quantos kd?=cadê?
alg=alguém hj=hoje

EstherRogessi. Texto Crônico: A NETIQUETA. Fonte: Oficina Análise de Textos (Raimundo de Moraes) Imagem Web Art by EstherRogessi10/10/10


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License<

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

CETICISMO

Qual é o meu céu?
Qual é o meu inferno?

Mariza procurou entender bem, a complexidade da abordagem, que lhe fora apresentada: – Qual é o meu céu? Qual é o meu inferno?

A lógica faz-nos crer, que não podemos discorrer , questionar e/ ou argumentar, sobre questão alguma, sem que tenhamos o devido conhecimento. Diante desse fato, sendo Mariza uma cética genuína, analisava a questão e si perguntava: “como opinarei sobre o que para mim não existe, e, parece-me surreal? Algo nunca constatado.., mesmo os que crêem, depois da morte jamais voltam para falar a respeito.”

Há uma multiplicidade de sentires e de opiniões, que tendem a divergir, principalmente se a abordagem discorrer para o fator religiosidade, com argumentação com base teológica: (...) E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá(Lc 16.26).

Por Mariza ser cética distava da crença em anjos, demônios, céu e inferno. Para ela o seu céu era o gozo e o inferno era o seu fogo!


EstherRogessi, Dissertação: categoria: Narrativa,07/10/10.


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

INTROVERTIDO


Abriu-se a cela e ele seguiu... rumo à liberdade
das prisõe sem grades;fez-se porta, fechou o
cadeado e engoliu a chave!

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>



Céu & Inferno


Disse Marise: - "O meu céu é o gozo e o meu inferno é esse fogo!"

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

Gaiola

De tantas pedrasr recebidas... petrificou-lhe a vida!

Microconto;EstherRogessi 08/10/10


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

PRISÕES


Viveu tantas prisões que fez de sua mansão uma gaiola.

Microconto;EstherRogessi; 06/10/10




Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

sábado, 2 de outubro de 2010

BRANCA SEDUÇÃO


És página em branco, anseio de um poeta
As minhas mãos sedentas, trêmulas... e, eu,
travestida de maestrina, em movimentos
...ora, leves e n'outros em puro frenesi!

Inarrável sentimento é o que sinto por te!
Dou vida e beleza aos homens, encanto à natureza;
Animo ao inanimado e tiro leite de pedras...

Sou parideira incansável
Sou rocha,sou água, sou fogo
...Vivo, mato e morro.
Tu, ó minha musa...doce inspiração,
e, eu, simplesmente poeta!


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

Queimadas

O fogo é forte...é vida é morte!
Entretanto, no cerrado...é insano
... Chiado planejado, agonia do mato,
Fogo que tudo mata, mata em chamas!

Predadores pensantes alegram-se
Com o fumo denso e a chuva de faíscas
...Subindo em estalos ao perder das vistas...

Cruéis assassinos, inimigos da natureza!
Há ciência, beleza e grandeza no ciclo da vida!
O fumo que se esvai... Torna à terra, a chuva cai!
Tudo muda:novos brotos,novas mudas
...Só tu ó homem... Não mudas?



Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License</</body>

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...