quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Verdades Passadas e a Esperança do Novo



Trezentos e sessenta e cinco dias tem o ano.Trezentos e sessenta e quatro dias, dormi, sonhei... Algumas vezes, acordei! Ponderei...! Minh’alma estava propensa a isso... Ponderar...!

Outras vezes, fiquei tal qual, criança... , com a boca aberta...perplexa!

Com fatos, fotos, atos e atrocidades, dos que desconhecem a verdade contida na ordem natural das coisas, ‘ expressão do sobrenatural de Deus’ . Tudo quanto, possamos fazer ao próximo e/ ou desejar-lhe, retornará para nós ...!

Convivi com Judas – o “S” é bastante significativo... – fui vendida, sou e serei... Porém, tenho por certo, O MEU SENHOR resgatou-me, resgata-me e sempre resgatar-me-á das mãos dos meus algozes...!

Por vezes, senti as dores dos cravos das mãos e dos pés de Jesus... Ainda bem, que só Ele é Rei...! Assim, poupou-me a dor da coroa... - É dessa forma que o ‘stigmata versão grega’ se me apresenta -. Outras tantas, fez-me entender a Sua agonia – metaforicamente relatada nos evangelhos, no ‘Getsêmani’ – : “ Meu suor transformou-se em sangue!”

Mesmo assim, não desisti de dormir, e, de acordar entre doces sonhos... Ou, pesadelos..., elos pesados, que os venci!

Trezentos e sessenta e quatro dias estão a passar... E, todo relato aqui descrito, já se fez passado, e bem passado...

Tenho um dia inteiro para recordar às vitórias alcançadas, conseqüência da minha persistência, frutos da minha fé em Deus e da minha crença em mim...!

Estou pronta para colher no Novo Ano que se aproxima... o que plantei, semeei e germinará, frutificará...! Comerei desses frutos, entre os doces e outros... nem tanto!...

Será que o inesperado o é de fato...?


EstherRogessi.Escritora.UBE.Mat.3963.Crônica: Verdades Passadas e a Esperança do Novo.30/12/09.

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O Natal se foi... Um Novo Ano está Por Vir...!


Mensagens de amor e paz, pensar unânime, escrita inconscientemente copilada, plagiada... Quem se atreve a ‘escrever verdades’ que não às ‘natalinas...?’
Sirvo a um Deus que transforma corações, o Natal não transforma! Por que esperar uma data específica para desejar paz e bem aos amigos...?
Por que não, paz aos nossos inimigos?...
Por que se achegar aos vizinhos detestáveis na virada do ano e no dia seguinte virar o rosto, ou falar entre dentes?
Por que presentear aos amigos se a máxima da fraternidade está em amar os nossos inimigos?
Por que alimentar e banquetear quem não tem fome, enquanto que nas esquinas da vida crianças comem lixo e nós nos lixamos!?
Natal é a festa máxima dos LOGISTAS – fazedores de ilusão – para eles VIVA O NATAL!
O que é o Natal senão a bandeira branca enfiada entre exércitos adversários, em campo de batalha...?
Portanto façamos de cada dia um Natal!
Que possamos ter o caráter do 'Papai do Céu' presenteando a todos sem fazer acepção...


EstherRogessi.Escritora.UBE.Mat.3963.Artigo. O Natal se foi... Um Novo Ano está Por Vir...! 27/12/09
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

NÃO MATES OS TEUS E... OS MEUS SONHOS



Os sonhos que deixamos para trás..., foram sonhos e nada mais!...
Tudo quanto possamos conquistar na vida, nasce de um sonho..., de um projeto gerado no imaginário, e que, tomou dimensões concretas. A princípio, em forma de rabiscos, rascunhos, interação, até a ação de fato!

Planos bem ou mau sucedidos... Geridos de um sonho, que acalentamos como se pode acalentar um filho...! Sim, um filho... Pois, ‘projetos’ são tais quais, os que geramos no ventre – filhos –. E, o quanto cuidamos e nos dedicamos a eles...! Porém, por mais cuidados que possamos ter, desde o ventre até sempre... – para uma mãe, filhos serão sempre filhos, mesmo que estes venham a falecer, a mãe dirá em recordação: meu filho...! – corremos o risco de vê-los trilhar caminhos que não traçamos e viver o que não planejamos. Mesmo que assim suceda, jamais devemos desistir dos nossos filhos, seria como que, desistir de nós mesmos... Não importa em qual situação estejam e/ou cheguem, desde o sucesso, ascensão, até a escória, prisões... Serão sempre os nossos filhos! A verdadeira mãe, o é na gestação, nascimento, crescimento, ascensão e na apostasia do seu filho por suas raízes e/ou ensinamentos.

Como desistir do que geramos...? Como desistir dos nossos sonhos?
Para quem está fora da situação é fácil dizer: Desista! Não vale a pena...! Pois, não sonhou os nossos sonhos; nem ninou aos nossos filhos...

Devemos zelar por um ‘projeto’ tanto quanto por um filho... Termos a responsabilidade de perseverar, acreditarmos nele antes de todos... é nosso! Façamos a nossa parte. Independendo de nós, havendo rejeição natural -aborto -, sofreremos, porém, com a sã consciência do dever cumprido. A negligência será, tal qual, o veneno tomado para matar o que ainda estar no no ventre. Há mães que não conseguem suster o filho no útero – e isso, independe do querer próprio – , em muitos casos, o desejo de tornar real a maternidade, leva mulheres a procura da medicina para obtenção de meios que as capacitem a gestação. Por muitas das vezes alcançando o sucesso desejado.

A essa busca, podemos chamar perspicácia, perseverança... Imprescindível no caráter idealizador. Antes de tudo temos que crer, acreditar no nosso sonho, defendê-lo! É o nosso filho! Está sendo e/ou foi gerado em nós... Não o abortaremos!

Pessoas transformam suas vidas em uma 'colcha de retalhos'... Mostruário de todos os sonhos que de sonhos não passaram... E, que terão diante de si ao longo de suas vidas sem que os tenha vivido. Outras... anunciam projetos precoces, conduzem outros à sonhar, a acreditar no que era desacreditado, e, bruscamente, sem aviso prévio, os aborta de forma irresponsável. Sendo e fabricando perdedores... Começam algo acreditando no sucesso, porém, diante das dificuldades primeiras, esmorecem, calam, desistem...

Os nossos planos têm que ir ao encontro e jamais de encontro aos nossos propósitos. "A desistência é o combustível para a incapacitação, e esta, é o veículo que conduz o homem ao fracasso”.


EstherRogessi.Escritora.UBE.Mat.3963.Artigo. NÃO MATES OS TEUS E OS MEUS SONHOS. Imagens Web. 27/12/09

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O MEU MELHOR PRESENTE DE NATAL




Naquele 23 de dezembro, acordei durante a madrugada, e, na minha cabecinha de criança, contando apenas 07 anos de idade, fiquei sonhando acordado com o Natal. Eu não sabia bem o que era, porém, ouvi os meus colegas do ‘Grupo Escolar’ contarem uns para os outros, dos pedidos feitos ao ‘Papai Noel’... E, timidamente perguntei-lhes: – Quem é? Vocês têm um pai com o mesmo nome?
– Não! Seu bobo... Papai Noel é um velhinho que no dia de Natal dá presentes às crianças... Você nunca ganhou presentes dele não?
– Não... eu não tenho pai.
Imediatamente Hugo respondeu: – Não é preciso ter pai pra ganhar presente do papai Noel não!...
Perguntei-lhe: – Não?...
– É claro que não! Eu não tenho pai, mas todo Natal Papai Noel me dá presente!
Falou o Marquinhos, outro colega nosso, todo orgulhoso... E perguntei espantado:
– Ah... Ele dar mesmo? Como é que eu faço? Como é que ele vai saber onde moro?
Hugo disse alegremente: – Minha mãe me ajuda a fazer o pedido, me diz o que é melhor, sabe? No Natal passado, eu pedi uma bicicleta, então a minha mãe disse que o Papai Noel era muito velhinho e que era difícil para ele subir o morro, carregando tantos presentes e, ainda mais, uma bicicleta pesada... Eu concordei com ela e pedi um carro bem bonito...
– E ele deu? – Claro! Igualzinho ao que eu mostrei a minha mãe!
– Ah...

Fiquei pensando durante todo o dia... Como eu queria ganhar um presente... Quando mamãe chegou do trabalho – minha mãe trabalhava há dez anos na casa de um casal de médicos –, contei para ela sobre a minha conversa com os meus colegas. Ela ficou em silêncio, olhando para mim... E vi lágrimas escorrendo por suas faces... Perguntei-lhe: – Por que a senhora está chorando, mãe?
– Por nada filho... É que eu cresci sem natais, e, esqueci de fazer você viver os seus...
Perdoe-me, filho... Mas, o que você gostaria de ganhar mesmo?
– Um carro bem bonito!
– Vou falar para o Papai Noel, está bem?

Ah! Que alegria eu senti... Pela primeira vez, eu ganharia um presente do Papai Noel...
“Papai!” Que palavra mágica! Boa de falar... Ah! Eu cresci chamando mamãe e só mamãe. Não sei do meu pai... Algumas vezes eu perguntava a minha mãe: – mãe, por que eu não tenho pai? Por que eu não sou como as outras crianças?
Ela rodeava, porém, não me falava a verdade.

Foi perdido em sonhos, com a alma agitada, que naquela madrugada abafada, no escuro do meu barraco, fitando o teto de zinco, me refrescando através dos chuviscos de uma chuvarada repentina que, se fez cair..., no descanso do desconfortável sofá sem pés, rente ao chão, com um único lençol que eu tinha de optar entre forrar o seu plástico barato, para não me esquentar as costas durante o sono, ou, me cobrir, me livrando dos pernilongos que brigavam entre si, em disputa pelo meu sangue. Já passava das vinte e quatro horas. Havia uma casa de jogos próximo ao nosso barraco, que costumava fechar muito tarde, eu ouvia os comentários da vizinhança, que o seu fechamento se dava após às vinte e quatro horas... Ouvindo o barulho do fechar de portas, deduzi ser muito tarde... A minha mãe ainda não tinha chegado, porém, eu não sentia medo, os meus pensamentos eram tão bons... Quantos sonhos!
A chuvarada passou e pelos furos do zinco, percebi pequenos raios luzentes, entrando e causando um efeito bonito no nosso barraco de dois cômodos. Os pingos fortes da chuva, faziam-se ouvir no zinco... Era como se Deus estivesse a me falar em mensagem codificada: ‘Estou bem presente aqui, não estás só! Trago o céu para ti como presente de Natal, essas são às luzes de todos os natais que você não viveu meu filho!...

Comecei a chorar mansinho. Eu era criança, não entendia... Mas, no meu coração, eu ouvia uma voz doce, que, de repente, deixou de falar dentro do meu coração e inundou o nosso barraco, uma doce voz que soava forte; que se fazia ouvir como que fosse amplificada, enquanto que o lugar simples e humilde ficou repleto de estrelas... O chão de barro batido, os poucos utensílios e projetos de móveis, a ‘minha cama’, tudo estava bordado por estrelas de luz tênue... Sou o teu Deus! O Pai dos órfãos e o marido das viúvas... Sou eu que zelo por ti e vou te dar o presente de Natal que, Noel não poderá te dar , não o receberás, aqui, no morro, mas te farei descer o morro para recebê-lo, porque SOU o teu Deus!

Não sei se aquela voz se alongou ao falar-me... Foi um bálsamo para a minh’alma inocente e ansiosa, perdida em questionamentos mudos. A doce voz inundou, não só os cômodos do nosso barraco, porém, a minha alma... Adormeci ouvindo-a..., não vi a minha mãe chegar. Acordei com ela me chamando, me apressando, pois, iríamos passar o Natal na casa dos patrões da minha mãe – o casal de médicos –, algumas das vezes ela me levava para passar o dia lá..., juntinho a ela naquele apartamento imenso e elegante.

O Dr. Fábio ficava olhando-me demoradamente... Algumas vezes era carinhoso... Eles não tinham filhos, a Drª Olívia – sua esposa– era estéril. Eles estavam em férias. E planejavam viajar logo após o Natal. A minha mãe também teria férias... Poderíamos ficar juntos por mais tempo. A Família dos patrões da mamãe moravam em outro país...distante, muito distante! Naquela noite de véspera de Natal éramos em número de quatro. Jantamos alegres e, em seguida, a Drª Olívia nos convidou para nos assentarmos junto à grande árvore de Natal, muito bonita e iluminada, com várias caixas de presentes embaixo... A vista de todos o Dr Fábio calmamente me perguntou: – O que você pediu ao Papai Noel, filho?
Olhei para ele muito sério e lhe respondi: – Eu e minha mãe pedimos um carro bem bonito... Mas, eu ouvi uma voz muito bonita e calma no meu coração dizendo que Ele era o pai dos órfãos e marido das viúvas e que eu não estava só... e, que iria me dar um presente que o Papai Noel não poderia me dar, e eu teria que descer o morro para recebê-lo... Eu já não sei mais o que vou ganhar... Sabe o que eu queria mais do que qualquer presente doutor.?
– Não, filho! Não sei... O que?
O meu pai! O meu pai de verdade! Eu só tenho mãe...
Sem entender, vi o Dr. Fábio chorar como eu nunca pensei que um homem pudesse fazê-lo... Mesmo eu sendo tão pequenino, entendi que algo muito sério estava acontecendo naquela noite de Natal... E espantado vi o Dr. Pegar as mãos de sua esposa, e, lhe pedir perdão em pranto, a minha mãe nervosa colocou as mãos na boca e gritou: – Não! Não conte Fábio!...
Fiquei mais confuso ainda... A minha mãe chamara o doutor, simplesmente de Fábio... Ele não a ouviu e contou a doutora Olívia – a sua esposa – que eu era seu filho...
Não ficamos para a entrega dos presentes..., mamãe me pegou e saímos rapidamente...

A minha vida mudou, a nossa vida mudou! Minha mãe não mais precisou trabalhar em casa de família, eu ganhei o pai que eu pensei não ter, o doutor Fábio me reconheceu como filho, nos deu uma casa decente, uma pensão para minha mãe cuidar de mim... E sua esposa ao longo dos anos, lhe perdoou. Não se separaram. Não fiz a infelicidade deles, causei lágrimas, é verdade...Sem querer fiz a boa doutora sofrer...
Entendi que eu não deveria desejar presente algum na vida... Além do que 'Aquela doce voz’ me deu... Ele cumpriu com suas palavras! A verdade sempre vence! Pois, ela é amor, é fruto do Espírito de Deus e o amor vence o mundo!


EstherRogessi.Escritora UBE. Mat. 3963.Conto: O MEU MELHOR PRESENTE DE NATAL. Categoria: Narrativa.16/11/09.
http://afesl-es.ning.com/profiles/blogs/o-meu-melhor-presente-de-natal
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Á Ana da Cruz... (Carta Aberta)




Ana... Feliz Natal!
A vida é um eterno aprendizado. Tenho aprendido a cada dia e sei que seguirei aprendendo até o momento da grande viagem. A qual, todos nós, a faremos na mais completa solidão... Por mais que tenhamos pessoas amadas e que, sejamos amados. Mesmo os amores inesquecíveis, desses que selam o nosso coração, fazendo com que todos os seguintes, sejam tão só amores... Mesmo assim, certamente, o que levaremos conosco, o que ninguém poderá tomar posse, herdar, serão os conhecimentos adquiridos, ao longo dessa árdua caminhada.

Creio, que tens me conhecido um pouco, ou melhor, tenho me deixado conhecer... Pois, o homem conhece do seu próximo tão só, o que esse lhe permite... Sabes que não sou de muitos comentários, e, que sinto verdadeiro asco, pelas ‘amizades interesseiras’. A verdadeira amizade, tanto quanto, o amor, se demonstra nos momentos precisos e em forma de palavras em ações espontâneas e desinteressadas...

Há um ano atrás, comecei a escrever no Recanto das Letras, a seguir, surgiu o ‘Mural dos Escritores’ e, confesso o que dezenas, centenas de poetas e escritores têm como verdade, porém, não tornam público: devemos muito, ou quase tudo, em se tratando do ser matéria, a você! Que nos ensina, corrige e incentiva a todos, por muitas vezes de forma sutil... De outras, com o teu jeito muito direto e mal entendido por muitos. E, como sinceridade é algo pelo qual, primo... confesso-te, deixei de ti entender algumas vezes... Reconheço o quanto tens contribuído na formação de poetas e escritores... O Mural dos Escritores (o teu, o nosso site) tem gerido profissionais capacitados, graças ao bom Deus! O teu trabalho é reconhecido, quem pode dizer que não?
É por tudo isso, que estou a agradecer-te pela obra que tens às mãos, saibas que fazes a alegria de muitos; tens proporcionado cura espiritual, pois, escrever é uma excelente terapia.

És Ana, a guerreira, mulher doação – tal qual, a Ana de Alcana, que doou o melhor de si e o mais desejado ao Senhor, assim, quis Deus multiplicar os frutos do seu ventre – e, por assim ser: ‘Que Deus multiplique todas as tuas ações e as transforme em chuvas de bênçãos serôdias e temporãs’. Que o Senhor ti abençoe e ti guarde; que o Senhor resplandeça o Seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; que o Senhor sobre ti levante o Seu rosto e ti dê a paz (Benção apostólica Nm)
Feliz Natal e um Ano Novo repleto de paz!

EstherRogessi. Á Ana da Cruz... (Carta Aberta) Narrativa. Mural dos Escritores.16/12/09.
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License



PROPOSTA DE PAZ! (NATAL)



Proposta ao espírito tenaz...
Bem a vive quem é capaz!
Ouço singelos toques de sinos...
Anúncio do nascer de um ser especial...

Natal – Expressão viva de paz, amor e bem!...
Expressão do amor em ação, do virtual ao real!
Proposta ao espírito tenaz...
Bem a vive quem é capaz!

Viver o Natal torná-lo real, dia após dia
Bem vivê-lo a cada amanhecer...
Ações geridas de um coração em paz
Não só de palavras bonitas...
Bem a vive quem é capaz!

EstherRogessi. Rondel: Proposta de Paz! Ciranda CAPPAZ. 16/12/09
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Natal Estado de Graça




Natal expressão viva de paz...
Espalhar o bem sem jamais olhar a quem,
É bandeira do capaz... É um estado de graça...
Agraciado é com certeza, quem ama a natureza,
Dela zelando tão bem quanto da própria casa.
O sentido verdadeiro dos festejos natalinos,
Dá-se a vida de Jesus o menino... Do mundo a salvação!
Promessa de Deus Pai que o próprio filho deu...
Doando uma parte de Si o exemplo nos deixou,
da doação verdadeira – no que nos é mais caro –, na boa semeadura...
É dando que se recebe e, ajudando que o fardo se faz leve...
Que se colhe e, amando que se é nobre!

Esther Rogessi Prosa Poética: Natal Estado de Graça.Categoria:Poética.15/11/09
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Desejos do Coração (Conto natal)



Não mais sou aquela criança, que, às vésperas dos natais longínquos... sonhava, em agonia, com o término da noite e lutava contra o sono para ver-te chegar durante às madrugadas, Noel... Ansiosa eu colocava meus sapatinhos bem arrumados , embaixo da cama , esperando a tua visita, que eu sabia, ser breve... Quantos lares tinhas que visitar!... E, ao amanhecer, de um salto... Eu me punha em pé! Os meus olhos seguiam direto a procura dos meus sapatos, onde um ajudante teu – quantos desses tens mundo afora... –, tinha colocado o meu presente.

Lembro da boneca duura... baraata... que o teu ajudante me presenteou! Não mexia a cabeça, nem os braços e menos ainda as pernas. Os olhos eram pintados... Porém, como me fez feliz!...

Fui crescendo e o meu entendimento cresceu comigo... Quantas perguntas eu fiz a mim mesma... Algumas sem respostas, outras... vieram a mim.

Como é lindo o Natal! É uma festa que simboliza a paz e a fraternidade entre os homens... Tudo é tão singelo, tão mágico!... Tão saudoso... Mesmo, para os que ainda, não têm porque sentir saudade...

Tudo é vermelho, verde e branco... Sangue, vida e paz!...

Ah!... Hoje, percebo, infelizmente, que a maioria, comemora tudo nessa época, menos o que se deve comemorar de fato!... O personagem principal está tão distante de cada um deles... É uma festa cuja preparação é uma forma de exaltação própria!
A casa material é limpa ornamentada, troca-se móveis e utensílios; se faz faxina nos armários e guarda-roupas, é momento de inovação exterior... Às geladeiras ficam repletas de guloseimas; de supérfluos, para alimentar a quem não tem fome... É NATAL!!

Foi em busca da compra de presentes, que me deparei com a ‘realidade da época’... Ao chegar a uma grande loja de brinquedos... Observei um pai testando um carrinho, guiado por controle remoto. Feliz, tal qual, uma criança... Indeciso entre levar o carrinho e/ou um helicóptero que, parecia ser mais real, do que se possa imaginar...Com certeza, aquele pai estava propenso a si presentear, tanto quanto, ao filho... Quem sabe?... Talvez, quando criança, recebera presentes como os que eu recebi... (e, graças a Deus por tê-los recebido...) Naquele momento de observância, percebi uma criança maltrapilha – menino-de-rua – admiradíssimo com tamanha beleza... Ele assentou-se no chão e ficou embevecido. Os seus olhos brilhavam, como as luzes do Natal... Ora, olhava o carinho que fazia manobras radicais, guiado pelo comprador-criança; ora, fitava para o alto, vendo o helicóptero voaando... tal qual, um pássaro. Foi em meio aquele enlevo que chegou um vendedor desnaturado, insensível e o colocou para fora, puxando-lhe pelo braço grosseiramente... O meu espírito se constrangeu! Quando me recuperei do choque momentâneo, gritei: Pare! Não faça isso! Respeite a criança... Suas vestes estão sujas, porém, a sua inocência é branca... Não a manche! Deixe-o em paz! Ele está comigo... O homem saiu desconfiado... Perguntei ao garoto: qual deles é o mais bonito? E ele respondeu: – O avião!!
Papai do Céu – hoje eu sei a nome correto – realizou o sonho daquela criança. Eu sei, o quanto dói, não ter um sonho realizado...
O que é fácil e corriqueiro para milhares, pode ser de suma importância para outros tantos.

Eu tenho um sonho há dez anos... Sei que se tornará real... Viverei até lá!...


EstherRogessi.Conto de Natal.Desejos do Coração.Categoria:Narrativa.23/12/09
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Definição de ATIVISTA

Ativista é a voz do que clama no deserto das injustiças transvestidas de justiça! É a voz dos mudos… Da transparência que os poderosos insistem em querer deixar embaixo do tapete da sala de estar…

EstherRogessi.Definição de ATIVISTA. Categoria: Narrativa.Imagem:Web.11/12/09

Dignidade ou Morte!


"Quem busca a verdade, quem obedece à lei do amor, não pode estar preocupado com o amanhã." (Gandhi)


Aminetu Haidar, mulher, mãe, ativista saharauí, defensora dos Direitos Humanos do seu povo, luta pela libertação do SAHARA OCIDENTAL’ indo de encontro a violação dos Direitos Humanos pela Espanha e Marrocos. Aminetu Haidar está impedida de voltar ao seu país por ter escrito no formulário de regresso as palavras ‘SAHARA OCIDENTAL’ tendo o seu passaporte confiscado.

No dia de ontem, 10 de dezembro, dia Internacional dos Direitos Humanos, foi contado o 25º dia de greve de fome pela ativista que, se encontra no aeroporto de Lanzarote. Aminetu recebeu as visitas incentivadoras de eurodeputados do GUE/NGL além de outros influentes, como apoio e forma de pressionar o governo espanhol e marroquino, procurando obter uma solução para que a ativista possa regressar a pátria... Quando entrevistada e frente ao questionamento feito sobre o que seria dos seus filhos caso ela viesse a falecer, Aminetu respondeu: ‘Eles perderão a mãe, mas, obterão dignidade.

Há convocação em toda Espanha e países simpatizantes com a causa..., e,para com movimentos em prol da volta de Aminetu à pátria. Foi lida uma carta redigida por intelectuais ao rei de Espanha, para que o mesmo interceda junto ao rei de Marrocos pela vida de Aminetu. Esta petição tem o apoio de Miguel Portas entre muitos outros. Pede-se um grito face às graves violações dos ‘Direitos Humanos’ no Saara Ocidental.

Miguel Portas se dirige em carta aberta ao embaixador espanhol em Lisboa usando os termos: ‘não é razoável o fato de um país que não reconheceu a ocupação do Sahara Ocidental, pelo reino de Marrocos, aceitar a imposta estadia de Aminetu Haidar em Lanzerote, lhe oferecendo a condição de refugiada o que, está totalmente fora da aceitação da mesma, pois, o seu desejo é ser cidadã na sua própria terra. O escritor português José Saramago após visitar a ativista saharauí afirma que sua saúde está cada vez mais debilitada e diz:'se ela morre todos seremos moralmente mais pobres'. Palavras de Saramago em entrevista ao jornal El-País.

CHAMO ATIVISMO A VOZ DOS MANSOS EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS!...

EstherRogessi. Escritora UBE. Mat.3963. Artigo: Dignidade ou Morte! Categoria: Narrativa.11/12/09. Foto Lusa/EPA/Martinez de Cripan. Fonte: Web. Creative Commons License
This
obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License http://www.cappaz.com.br/esther.htm

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

SOMOS OS GIGANTES DO AMANHÃ

Do amanhã somos a esperança Das conchas... Somos às pérolas! Pepitas...encravadas nas rochas No mundo de dores, somos cores, aquarelas... Ó pátria amada, idolatrada... Salvem ela! Gigante que a natureza fez e que o submundo Dos que estão acima de nós desfez!... Pelada está a serra... O ouro, lá não mais brilha... Penso no amanhã... Brasileiros! O que será de nós? Vem a insônia... Estão de olho na Amazônia... Já não é nossa! Dizem ser o ‘pulmão do MUNDO’... Sabedoria do ‘submundo’, dos engravatados da malandragem... Que matam o seu povo para tirar vantagem! Brasil... o que é teu? O que de te não se vendeu?... Como foi paga a impagável Anaconda? A longo prazo ou à vista? De quem? Quais os artistas?... Quando Deus marca alguém... É pra não perder de vista!!

EstherRogessi.Escritora UBE. Mat. 3963.Prosa Poética: Somos Os Gigantes do Amanhã. 10/12/09 Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License http://www.cappaz.com.br/esther.htm

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Quando o Silêncio Se Transforma No Maior Dos Males (Artigo)( Artigo)

Lo más atroz de las cosas malas de la gente mala es el silencio de la gente buena. (Gandhi)

Há homens que foram eternizados por seus atos. Contínuos ou momentâneos. Homens exteriormente frágeis, porém, trazendo em si uma fortaleza ímpar; quase sempre silenciosos, porém, dotados de sabedoria – filha do silêncio, da observância, oração e meditação! –. Enganosamente, alguns confundem o silêncio com fraqueza, porém, o seu poder é incontestável – é uma arma poderosa, precisa e avassaladora –. O silente não é mudo, passivo e/ou subjugado, ele é preciso! É verdadeiro; exímio estrategista. O falante se perde na oratória - muitas promessas e pouca ação - aliás, falar não combina com agir. A máxima do poder está na quietude. ‘A ação de um ato é o clímax decorrente dos preâmbulos silentes.’ O maior dos homens – Jesus Cristo – era comedido nas palavras. No muito falar não falta transgressão, mas o que modera os lábios é prudente (Provérbios 10.19). A natureza, Sua criação, é exemplo para tantos quantos, silentes a observa. A luz e o ar, mesmo que tênues e silenciosos, penetram profundo; a vida terrestre é dependente do silencioso e invisível oxigênio. Há poder no silêncio, lembro-me do poder existente nos olhares dos meus pais...Quem de nós – seus filhos – se atreveria a desobedecê-los? “O verdadeiro poder está na ação silenciosa de uma determinação!” Deus, o Poder Supremo; Incontestável Existência; Silente e Invisível a ponto de – por muitos – ser desacreditado por assim ser... Silenciosamente rege o mundo, determinado no cumprimento de Suas Leis, faz-se ouvir no momento preciso pelos que as desobedecem. Ele, o maior pacificador, que a história registrou. Por isso, é "O Príncipe da Paz!" Pacificador, não é o ser passivo, submisso, inerte e/ou apático. Porém, é o que usa de todas às armas, geradas através do ‘poder do silêncio’, até o momento máximo, quando enfim, se faz necessário ser ouvido! O homem, obra de Seu poder, é gerado em silêncio, até o momento da ação final: o nascimento.

O termo pacificador no grego literalmente quer dizer: O que promove a paz; fazedores da paz; os que trabalham pela paz; o que é determinado em promover a PAZ. Sabemos, porém, que a concretização desse ideal por muitas vezes, origina guerras.
Gandhi usou as armas do silêncio, não da indolência. Agiu, usou a palavra no momento oportuno, se fez sacrifício vivo – em forma de jejuns e orações – por muitas vezes, sofreu prisões, lutou pelos direitos dos hindus, pregou a não violência como arma poderosa, organizou uma greve em 1922 pela queda de impostos, causa nobre e meios nobres de lutar, porém o povo se levantou em fúria e depredou patrimônios públicos, Gandhi se confessa ‘culpado’ e é preso. Em 1930 viaja à Londres, Inglaterra, para negociar a independência da Índia, em vão. Em 1947 a índia se torna independente. E O fanatismo dos hindus e mulçumanos, os levaram a uma batalha sangrenta, resultando em milhares de cadáveres pelas ruas. Os mulçumanos reivindicam um Estado independente, o Paquistão. Em busca pela paz, Gandhi aceita a divisão da Índia, com o fim de evitar mais derramamento de sangue entre hindus e mulçumanos, e atrai para si o ódio dos nacionalistas hindus. Usa suas armas silenciosas: o jejum e a oração. Consegue o que nenhum político conseguira. Porém, aos trinta dias do mês de janeiro do ano de 1948, aos 78 anos de idade, é assassinado por um hindu. A causa é pacífica – a injustiça social, em suas múltiplas formas, é oriunda da ganância e do abuso de poder; toda a forma de maus-tratos aos seres vivos quer sejam homens, animais e/ou a natureza –, os meios são pacíficos, a reação opositora é que conduz o homem à guerra.

Certa vez, falei que, Jesus foi o maior político da história. E, logo alguém, fez à pergunta esperada: – Por que político? – Respondi-lhe: Porque o seu compromisso maior foi com a vida – do próximo – e com a verdade. Esses são os requisitos para a formação do caráter de um verdadeiro líder. Lembrei-me de uma frase célebre: ”Minha devoção à verdade empurrou-me para a política; e posso dizer, sem a mínima hesitação, e também com toda a humildade que, não entendem nada de religião aqueles que afirmam que ela nada tem a ver com a política." (Gandhi)

O pacificador é um político em potencial. Os que ora, se nos apresentam, são degenerações da boa raiz: politicagens de politiqueiros, jamais políticos e ainda menos, política.

“Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a Terra”.(Mt5.4) “Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus” (Mt 5.9) Mansos, são todos quantos, lutam pela paz! De outra forma, nenhumas terras teriam por herdade, nenhum legado, nem mesmo a ‘liberdade’ – os maus, os roubadores, certamente, não abririam mão delas –. Este fazedor de paz, o pacificador, deve ser ativo, é preciso fazer algo. Não sejamos apenas pacifistas, mantenedores da paz, porém, pacificadores, fazedores da paz.

O pacificador tem por pátria o mundo.
O amor é a sua máxima, e, o seu próximo nem sempre é o mais próximo, porém, é todo aquele do qual, se tem conhecimento em injustiça; sua causa é toda a que foge ao amor, e ao respeito, intencionando a promoção da paz. Todas as nações, todos os povos, são de sua total responsabilidade.

Assim, como o senhor de um lar, o é de fato, e a ninguém deve satisfação quanto ao andamento desse – desde que comungue com as leis e estatutos vigentes, abrindo exceção, quanto a toda ação marginalizada, mesmo que dentro do espaço declarado e legalmente seu – desta mesma forma , o ‘pacificador’ tem direito de denunciar todas as ações más dos homens maus, quer seja onde for. Com o intuito de fazer o bem e promover a paz, sem que com isso seja taxado de antiético!

O SILÊNCIO DOS HOMENS BONS É MAIS ATROZ DO QUE TODO O MAL QUE OS HOMENS MAUS POSSAM COMETER! (Gandhi)

É segundo a verdade ora, expressa através desse pensamento Gandhista, porém, coerente com a verdade bíblica: 'Abre a tua boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham em desolação'. (Pv 31:8) Que me pronuncio no tocante aos horrores existentes em nações longínquas, tais quais, China ( com sua matança de meninas) e a Índia, do pacificador Gandhi, onde a mulher é tratada como um ser inferior em pleno século XXI. Onde impera o aborto seletivo. Fetos do sexo feminino são selecionados e condenados a morte. E, quando chegam a nascer, são mortas, por afogamento produzido conscientemente pelos próprios pais... Assista se possível, o filme e /ou vídeo Matruboomi. Às fotos e/ou vídeos são deveras chocantes, chegam a agredir a nossa paz interior; a ferir nossas retinas, porém, são chaves para o despertar de que, nem tudo são flores e/ou amores. Há injustiças,horrores, ultrajes e abominações, a espera da denúncia dos 'bons' estruturadores e pacificadores através das letras...

O ABORTO TANTO QUANTO A PEDOFILIA SÃO OS MAIS HORRENDOS CRIMES POR SER UMA AGRESSÃO AO INOCENTE E AO INDEFESO!

A criança é a esperança mundial de dias melhores.

[i]'Instrui às crianças e não será preciso punir os homens[/i]'(Pitágoras).

É fato que toda transgressão atrai uma punição.É lei divina,universal e natural, visto que, a própria natureza reage, diante da usurpação e/ou degradação aos seus limites,em uma demonstração clara e precisa, de que, as leis existem para que as obedeçamos, do contrário, não serão leis.Estas, são implacáveis em sua justiça. Não fazem acepção, e, os que à elas não se moldarem, estarão fora-da-lei e nessa condição marginalizados.

Na nossa nação, Brasil, há quase que impunidade sobre crimes, que estarrecem-nos.A horrenda PEDOFILIA é um deles. Sabemos que recentemente um dito JUIZ - não de futebol, porém, executor das leis -, pedófilo, recebeu por sentença, a aposentadoria - quantos trabalham toda a vida honestamente, sem que possa usufruir desse direito? - para que pudesse aplicar mais tempo à prática do mal?...

Quantos homens bons estão a praticar o maior dos males, mais atroz do que os praticados pelos homens maus... O SILÊNCIO!!! (Paráfrase da frase de Gandhi).

Sejamos pacificadores e não espectadores. Promovamos a paz!

EstherRogessi. Escritora UBE. Mat.3963. Artigo:Quando o Silêncio Se Transforma No maior Dos Males. Categoria: Narrativa. Fonte da pesquisa: Web. Imagens: Web e blog INDI(A)GESTÃO. 05/12/09 Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License http://www.cappaz.com.br/esther.htm

Você é importante para Deus!




Deixe que Ele seja a primazia de tua vida e tudo terás...
Não haverá vazio em tu'alma;
nem o medo da escuridão te assolará;
o pouco com Deus, para ti será bastante...sobejará!
Verás beleza no simples da vida, palavras de vida proferirás;
abençoarás quem te persegue... A benção é maior que a maldição, vencerás!
Terás mesa farta, se não reteres a mão e saciares ao faminto;
sobejas em vestes? Veste o nu... e o bom Deus te recompensará pelo que fizeste;
não deixes que a crueldade e o desamor no mundo existente... endureça o teu coração;
ama... ternamente, somos filhos do mesmo Deus, assim sendo, somos irmãos!
Ele é luz e Nele não há trevas...Ele é o caminho que para o céu conduz,
sejamos amantes do "Poeta da ( e de) Luz "!

Esther‏Rogessi.Prosa Poética.06/06/09
.

Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License http://www.cappaz.com.br/esther.htm

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...