quinta-feira, 10 de março de 2011

O CAPITALISMO DE MAX WEBER



A Igreja católica dos séculos XV e XVI
Martinho Lutero – apologista: a Igreja provedora das necessidades espirituais
Calvino e sua doutrina capitalista
Qual a conotação entre capitalismo e cristianismo?

INTRODUÇÃO

A obra mais importante de Max Weber, escolhida e listada, entre os cem melhores livros de não - ficção ou ensaios do século, intitulada: “A Ética e o Espírito do Capitalismo,” foi publicada em 1904, século XX. Essa obra trata de um movimento religioso – o protestantismo – que teve por precursor, Martinho Lutero.Após exaustivos estudos Weber conclui que, há vínculos de extrema relevância entre o protestantismo e o capitalismo. Contrariando a convicção de Weber concernente a visão protestante – de forma abrangente, subtende-se que o precursor do luterismo, antes de tudo, foi um apologista da fé genuína, cujo objetivo maior, centraliza – em todas as eras – a salvação da alma, deixando-nos o exemplo em forma da ação, cujo objetivo: o exercício do maior de todos os mandamentos – o amor – demonstrado através do seu zelo e luta pela assistência espiritual aos fiéis, contrariamente ao acúmulo de riquezas.
Em contrasenso, o calvinismo através de sua doutrina, de forma peculiar – eleição –, dá-nos mostra de haver uma conotação entre o conceito capitalista, segundo Weber, e o protestantismo de Calvino.

A IGREJA DA IDADE MÉDIA

Durante a Idade Média a Igreja Católica era reconhecida como única autoridade espiritual existente, não havendo salvação da alma fora dela. Ao longo dos anos, a Igreja concentrou poder, não apenas espiritual, mas material e político. Os seus altos mandatários estavam mais preocupados em exercer esse poder e em aumentar os seus domínios, do que se preocupar com as necessidades espirituais do seu povo. Os papas viviam em conflito com os imperadores, todos desejosos de obter mais poder político e econômico.

A situação se agravou no final da Idade Média, quando uma série de acontecimentos catastróficos – guerras, fome e peste – levou a população a total desesperança. Na Europa do século XVI, havia a necessidade de se encontrar apoio, em qualquer coisa, parecia que o mundo estava prestes a se acabar.

A venda de indulgências promovida pela Igreja Católica acalmou a situação. Entretanto, isso se revelou uma prática vergonhosa. Além disso, se comercializava qualquer objeto, com suposto valor religioso – troca pela salvação da alma.

Destarte, o Império Alemão se encontrava descentralizado, dominado por inúmeros príncipes e com grande parte de seu território pertencente à Igreja.
O membro da Igreja Católica de Roma – Martinho Lutero – preocupado e inconformado com o vil comércio das coisas espirituais; angustiado com a própria salvação, deu início ao conflito que dividiu a unidade cristã que prevalecera por toda a Idade Média – A Reforma, da qual originou-se o protestantismo.

Quatrocentos anos após, surge o conceito de capitalismo – segundo Max Weber:
(...) chamaremos de ação econômica “capitalista” aquela que se basear na expectativa de lucro através da
utilização das oportunidades de troca, isto é, nas possibilidades pacíficas de lucro. Em última análise, a apropriação do lucro segue os seus preceitos específicos, e, não convém colocá-la na mesma categoria da ação orientada para a possibilidade de benefício na troca. Onde a apropriação capitalista é racionalmente efetuada, a ação correspondente é racionalmente calculada em termos de capital.

A MOLA PROPULSORA DO ENSAIO HISTÓRICO – SOCIOLÓLICO DE WEBER

A percepção de Weber concernente ao fato de haver uma significativa diferença concernente a filiação religiosa e a estratificação social, entre os filhos de cristãos católicos, face aos filhos dos protestantes, o inclinou à pesquisa.

As transformações sociais e econômicas que aconteceram no cenário europeu, nos séculos XVII e XVIII, motivaram, impulsionaram Max Weber a pesquisar a relevância do notório desenvolvimento intelectual e capitalista da Alemanha que diferia do restante da Europa. Países como França e Itália vivia a revolução industrial, ao passo que, a Alemanha permanecia monárquica e agrária.

Weber aplicou a sua pesquisa a uma determinada região – vale de Ruhr. Constatou que, os filhos dos católicos se inclinavam à escolha de carreiras humanísticas; enquanto que os protestantes se dedicavam às carreiras técnicas. Consequentemente, os protestantes, se sobressaiam nas indústrias; direção empresarial e na tecnologia de alto nível. A constatação dos fatos, o levou às reflexões sobre a sociologia da religião, chegando a concluir que, alguns seguimentos religiosos, por sua fé e ética, contribuíram para a formação do espírito impulsionador da economia ocidental moderna, ou seja, do rigor moral existente nos dogmas calvinistas, surgiu o embrião do capitalismo: vocação - trabalho como religião -, visão ascética monástica capitalista.

FATORES QUE IMPULSIONARAM O CAPITALISMO RESPALDADOS NOS DOGMAS CALVINISTAS

Weber atribui à doutrina da predestinação – peculiar aos calvinistas –, o individualismo na busca do poderio econômico, vez que não havia salvação, sem que houvesse vocação. E, essa, direcionada unicamente ao trabalho como que religião. O fiel, não obteria a salvação sem que fizesse a sua parte, de forma exaustiva – demonstração de total vocação - caminho para a salvação. Esse, não esperava obter o favor de Deus através da Igreja, como mediadora - a salvação seria alcançada individualmente, através do esforço próprio, pela vocação - trabalho.

Destarte, não havendo mediadores entre esses e Deus - meios externos de se obter a salvação – e, buscando-a desesperadamente, tornou-se imprescindível a identificação própria, através dos requisitos necessários, para os escolhidos – eleição. O exercício dessa vocação garantiria a própria salvação – segundo os estudos de Weber –, o êxito profissional, seria distinção na identificação da própria eleição.

Faz-se necessário salientar que, trabalho gera riqueza, e assim, sucessivamente - ascensão econômica.

Para esses seguidores o que objetivava a riqueza, era o dever de estabelecer o Reino de Deus na terra, visando a glória de Deus. O dinheiro não seria empregado em coisas fúteis, tipo: diversão, o seu objetivo seria gerar capital: “riqueza gera riqueza – doutrina da avareza.” Segundo o entendimento de Weber, o dogma central do protestantismo, a salvação, não se encontra na superação moral ascética monástica – no isolamento ou afastamento do mundo em busca de santificação – mas no dever secular, imposição do mundo – o homem vale pelo que produz; por sua posição social – visão capitalista.
Acaso, não foi essa a visão da Igreja da Idade Média? A busca pelo acúmulo de bens materiais em detrimento da assistência espiritual?

(...) vocação, nenhuma obra tão ignóbil e vil haverá de ser que diante de Deus não resplandeças e sejas tida por valiosíssima.

A DESCOBERTA DE WEBER DE ENCONTRO AO EVANGELHO

Weber entendeu que todos os ramos religiosos protestantes, seguiam um dogma central – vocação – e, que esse dogma, era tipo: “a vocação profissional conduz à salvação” – entendimento antagônico ao evangelho segundo Jesus Cristo – explicitando os dons ministeriais:

( Ef 4:1) Rogo-vos, pois, eu, apóstolo de Jesus Cristo, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados.
(Ef 4:2) Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando uns aos outros em amor.
(Ef 4:3) Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.
(Ef 4:4) Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação.
(Ef 4:11) E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
(Ef 4:12) Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo;
(Bíblia Sagrada)

Destarte, segundo o entendimento de Weber, o dogma central do protestantismo, a salvação, não se encontra na superação moral ascética monástica – no isolamento ou afastamento do mundo em busca da santificação – mas no dever secular, imposição do mundo – o homem vale pelo que produz; por sua posição social – espírito capitalista. Acaso, não foi essa a visão da Igreja da Idade Média? A busca pelo acúmulo de bens materiais em detrimento da assistência espiritual?

O espírito do capitalismo segundo Weber, deve ser entendido como uma ética de vida – a dedicação ao trabalho e a metodologia de se adquirir riquezas, de forma incansável, contínua, como um dever moral. A riqueza, não deve ser usada em esbanjamento, mas para gerar mais riqueza: (...) “Tempo é dinheiro;” “dinheiro gera mais dinheiro;” “O bom pagador é dono da bolsa alheia,” ( Máximas de Benjamin Franklin).

A ênfase de que a glória de Deus resplandeceria através da ascensão profissional dos seus eleitos, lançava-os ao trabalho exaustivo, dessa forma tinham a confirmação do chamado ao Reino de Deus e mais ainda, desejavam ver esse Reino estabelecido - a exaltação a Deus estaria em um povo próspero e justo, em todas às áreas.

Nota: Este texto está na categoria de "Ensaio" por falta da opção correta.

EstherRogessi, Escritora UBE Mat. 3963 Texto hitórico-sociológico: O capitalismo de Max Weber. categoria: Narrativa. Fonte: Web. 10/03/11

Um comentário:

Anônimo disse...

Que texto ótimo! Me ajudou muito a compreender o capitalismo na visão de Weber, coisa que foi difícil, pois todos os textos que encontrei na internet usavam termos que eu desconhecia. Muito obrigada pelo trabalho.

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...