sexta-feira, 26 de julho de 2013

LIÇÃO PARA AS NOSSAS VIDAS



Parafraseemos  o capítulo 6 do Livro de Daniel; dediquemo-nos à meditação, e que esta seja próspera e acresça o nosso espírito:

O rei Dario colocou cento e vinte sátrapas para governarem todo o reino e três supervisores sobre eles, dos quais, um deles era Daniel.

Daniel mostrou a sua competência e retidão, sobressaindo-se dentre todos. Isto irritou e ascendeu sentimentos contrários, não só entre os sátrapas, mas entre os seus colegas supervisores, que se acharam em perigo de que Daniel viesse a governá-los.

Reuniram-se, não só os supervisores, mas estes uniram-se aos sátrapas, indo de encontro a Daniel. Buscaram uma forma de derrubá-lo, de o rei Dario perder a confiança no fiel súdito, e mais, de fazê-lo perder o cargo. Daniel era a pedra no caminho dos seus "inimigos gratuitos".
Como atingi-lo, sendo ele homem incorruptível, inteligente, dotado da sabedoria divina,  e zeloso em  todos os seus intentos?

Assim, dedicaram tempo a observá-lo: horários e costumes, sem que achassem nada condenatório, em sua conduta; perceberam no entanto, que Daniel era um homem de oração, e três vezes ao dia, se prostrava de joelhos em terra, em orações e rogos, ao Deus Todo-Poderoso. 

Chegaram ao consenso de que nada havendo que o condenasse, usariam de estultícia, condenando-o através do que era impossível a Daniel, deixar de buscar - seu Deus.

Disfarçadamente, pois eram sabedores da grande admiração que o rei Dario nutria por Daniel, reuniram-se com o rei e o induziram a decretar que nenhum homem poderia ajoelhar-se e prestar culto a outro deus, ou pessoa que não o Rei Dario; e que esse decreto fosse selado com anel de selar, cuja revogação da pena de morte seria impossível. Longe de desconfiar do que estava por trás de tudo quanto lhe fora apresentado o rei concordou.
Chegaram então os inimigos invejosos de Daniel diante do rei e o informaram que o seu fiel súdito se prostrava três vezes ao dia diante do Deus Todo-Poderoso; exigiram que o edito vigorasse contra Daniel, o rei nada pode fazer a não ser ordenar que Daniel fosse colocado na cova dos leões, que foi selada com anel do rei e dos seus nobres.
O rei Dario falou para Daniel: "Que o seu Deus, a quem você serve continuamente o livre".  
O rei não conseguiu dormir e pela manhã correu até a cova dos leões para saber de Daniel e, o chamou com voz aflita:  - Daniel servo do Deus vivo, será que o seu Deus, a quem continuamente serves, pode livrá-lo da boca dos leões? Daniel respondeu-lhe: Ó rei, vive para sempre! O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões.Eles não me fizeram mal algum, pois fui considerado inocente diante de Deus. Também contra ti, não cometi mal algum, ó rei.
O rei ordenou que tirassem Daniel da cova dos leões, e constatou que nele, não havia nenhum ferimento; ordenou que todos que acusaram Daniel fossem lançados na cova dos leões, com suas mulheres e filhos, aconteceu que antes de que chegassem ao fundo foram despedaçados pelos leões.

O rei Dario escreveu aos homens de todas às nações, povos e línguas de toda a terra:
Paz e prosperidade!
Estou editando um decreto para que em todos os domínios do império, os homens temam e reverenciem ao Deus  de Daniel. Pois ele é o Deus vivo, e permanece para sempre; o seu reino não será destruído, o seu domínio jamais acabará. Ele livra e salva; faz sinais e maravilhas nos céus e na terra. Ele livrou Daniel da boca dos leões.
Assim Daniel prosperou durante o reinado de Dario e Ciro, o persa.

Parafraseando o texto:

O que inquietou todos quantos conviveram com Daniel, foi a sua sabedoria, retidão de caráter, submissão a autoridade constituída por Deus sobre a sua vida e o seu zelo pelo alheio e pelo próximo.
Caráter irrepreensível.
Viram em Daniel, a possibilidade de uma posição maior, de um cargo sublime - isto é mortal para os invejosos, que perdem tempo maquinando o mal para o que julga adversário, sem razão.
No nosso dia a dia não é diferente. 
Somos observados, medidos e pesados em balanças injustas e enganosas; ciladas são armadas contra os prósperos, os que fazem a diferença, quando em verdade a única diferença é o esforço, a perseverança no prosseguir, a capacitação de criar e repassar, compartilhar os seus frutos dignos, para com tantos quantos estejam propensos a receberem.
Os retos não fazem inimigos, eles surgem como que ervas daninhas, no meio do trigo; da grama verde e suculenta, porém o que é guiado por Deus, não tropeça, nem vacila, menos ainda, se deixa levar pelas lagartas da lavoura; o Senhor a  pulveriza, antes da colheita. E chega antes, sempre!
Os que armam covas contra nós, eles mesmos caem nelas.

Que o Deus Todo-Poderoso, abra os nossos olhos e nos faça enxergar mais do que ver.

No amor de Cristo,
Bispa Rogessi de Araujo Mendes.

MISSÕES É PRECISO!
PROJETO DE EVANGELIZAÇÃO NOS LARES, às 4ªs feiras - COLMEIA -, do coração de Deus para o IMPFAV-PE.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...