quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Cem Anos Sem Eça (Acróstico)



Cem anos após a sua morte, proporciona vida e encantamento através de sua admirável obra.

E ça de Queirós, o José Maria, nascido aos 25 dias do mês de novembro ano de 1845, na Póvoa de Varzim e logo após seu nascimento, entregue aos cuidados de uma ama que, o criou até a idade dos seis anos.

M eio a Coimbra, entre a boemia e as letras, Eça descobriu sua tendência natural para a literatura. Teve amigos, tais quais, Antero de Quental, João Penha, Teófilo Braga e tantos outros.


A na Joaquina Leal de Barros – sua madrinha de batismo – vivia em Vila do Conde, Portugal, depois dos dez anos de idade, foi educado no Colégio da Lapa, na cidade do Porto.

Não podemos esquecer que, no ano de 1861, ele ingressou na Universidade de Coimbra, se licenciou em Direito em 1866.

Os Maias é uma das obras mais populares de Eça de Queirós. A ele pertence à expressão que lhe é peculiar – marca do estilo pessoal do autor – : “Lenta humildade “.

S ob a forma de folhetins ele publicou experiências adquiridas durante a longa viagem que fez ao lado do seu amigo, o Conde de Resende, ao Egito no ano de 1869. Estas publicações foram feitas em janeiro de 1870, no “Diário de notícias”, com o título de Port - Said a Suez.


Sempre em ascendência, Eça de Queirós foi nomeado administrador do conselho de Leiria – cidade portuguesa –, cargo no qual, se manteve por vários meses, até ingressar na carreira diplomática. Na Baía, depois em Havana, Newcastle, Bristol e Neuilly, em França.

Encantamento há nas letras, que unidas, são perpetuadas, atravessam os séculos, mudando a história e fazendo dos que não são... Imortais! (EstherRogessi) Recife, 05/010/2009

M arço de 1872 foi nomeado cônsul nas Antilhas Espanholas iniciando assim, sua vida diplomática. Desta forma obteve tempo e meios necessários, para dedicar-se a Literatura. Ergueu pois, a obra literária que perpetuou o seu nome, sendo um dos personagens mais importantes da literatura dos séculos XIX e XX.


E, nem assim, Eça de Queirós abandonou a carreira literária.

Ç edilhando a vida diplomática, entre os seus Escritos, Contos e Romances inesquecíveis, tais quais, “O Primo Basílio”, “O Crime do Padre Amaro”, e a sua obra prima: “Os Maias”, só editado em 1888.

A Relíquia”, cuja frase memorável perdura e inspira autores contemporâneos e por que não dizer: até mesmo aos leitores? “Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia” (Eça de Queirós)


EstherRogessi.Escritora. Mat UBE 3963. Acróstico: Cem Anos Sem Eça. Categoria: Poética. 05/10/09
Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...