domingo, 25 de julho de 2010

ATÉ QUE PONTO O AMBIENTE INFLUENCIA NO DESENVOLVIMENTO DO INDIVÍDUO



Comumente ouvimos a expressão de que o homem é produto do meio, porém, não podemos descartar o fato contundente de que, para toda regra há exceção.

O ser humano traz em si uma multiplicidade de sentires; surpreendem-nos em suas ações e reações. Assim sendo, o homem se torna uma incógnita, por muitas vezes, surpreendendo a si próprio. Isso, diante do fato de que, somos seres “fabricados.”

Somos tal qual, uma placa mãe - virgem -, que tende a receber em si informações não próprias: aderimos aos ensinamentos impostos, às convenções, sistemas, dogmas, conceitos e pré-conceitos. Somos o que nos fizeram ser. O nosso “eu” geralmente se encontra adormecido. Até chegar o momento da ruptura; do despertar - tal qual um vulcão adormecido -, o caráter próprio, a essência, o ego; a psique. De forma que, os fatores externos, tais quais, o próprio habitat, ou ambiente casual, tanto quanto, os ensinamentos adquiridos -, exercem sim, grande influência no indivíduo, sendo essa, a causa dos conflitos internos; da aparente rebelião - momento de ruptura, de transição, sobre o que nos foi imposto por longo tempo, e, o momento do surgimento do nosso “eu oculto.” Pura questão de fluência da essência.

Exemplificando: no preparo de uma feijoada, se encontram vários ingredientes que, por estar em um mesmo caldeirão, receberão o mesmo gosto, porém, a essência de cada um deles permanecerá: costeletas de porco serão sempre costeletas de porco e, assim, sucessivamente.


Diante do ora, exposto, concluo que, às causas externas influenciam no comportamento do indivíduo, até o momento de sua ruptura, com a dualidade nele existente: fatores internos e externos, ou seja: essência e formação imposta, adquirida.

Chegando porém, esse momento, de ruptura -quando o indivíduo assume-si de fato;diante de tal firmeza de caráter, os fatores externos, não mais exercerão sobre si os seus efeitos.

Trago um pensamento de um autor por mim desconhecido: “A garça a ave de plumagem mais branca se alimenta do mangue e não se suja.”


EstherRogessi.

Escritora UBE. Mat.3963. Artigo: Até Que Ponto...? Categoria: Narrativa.25/0710. Imagem:Web


Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...