sábado, 7 de agosto de 2010

Comentário & Resposta Aberta Silvia & Esther


--Esther, eu a respeito, acredito que tens reflexões maravilhosas. Mas, quanto a este texto, meditando em tuas palavras, devo lembrar-te que Judas Iscariotes foi escolhido, nos planos de Deus, para ser aquele que entregaria Jesus nas mãos dos judeus. Todos os que estiveram com Jesus tinham seu papel nesse plano. Pedro, que era íntimo de Jesus, o negou três vezes. Porém, se ele não o fizesse, teria sido morto e não propagaria o Evangelho, como logo em seguida fez. Usando o beijo na face que Judas deu em Jesus como analogia para a traição, devemos nos manter alertas sempre que alguém fizer o mesmo conosco? Perdoe-me, mas estas sendo tendenciosa. Outra coisa: quando falas do amor Zoé e do amor Eros, Jônatas foi justo no seu proceder, mas negou o próprio pai, o Rei Saul, que fora tomado pela inveja e pelo ciúme. E ficou ao lado de Davi, o escolhido segundo o coração de Deus que, na primeira oportunidade, caiu em adultério e, para se livrar de seu oponente, colocou na frente de batalha para que morresse. Desse "passo em falso" de Davi, nasceu Salomão, que mais tarde seria rei, e considerado o mais sábio e justo. Devo entender que Deus escreve certo por linhas tortas? Ou, os desígnios de Deus não se discute?

--Cara Silvia...

Discordância jamais será desrespeito e, sim, a explicitação da multiplicidade de sentires, de pensares.., o que para mim é louvável e belo. Das opiniões contrárias -no bom sentido -, surgem as indagações e dessas o despertar do espírito científico, que faz fluir do mais íntimo de nós, tesouros incomparáveis, demonstrando a riqueza de Deus em nós.
Bem, quanto a tua interpretação concernente ao fato de que Judas Iscariotes, tanto quanto, todos os apóstolos do Cordeiro - expressão teológica, aplicada aos que conviveram fisicamente com o Senhor Jesus - fizeram tão somente o que dantes tinha sido estabelecido por Deus Pai, para que, assim, fosse cumprida a profecia dita desde os primórdios dos tempos, através dos nossos pais apostólicos, concernentes ao Plano Salvífico - muitos discordam da tese da “Predestinação,” não sou totalmente calvinista, por discordar em alguns pontos de Calvino - e pensam que cada um, tem o poder de decisão sobre suas vidas - ser feliz ou infeliz; amar ou odiar, enfim, o que a maioria entende por “livre arbítrio” – e, que jamais será a minha visão. Não importa quais doutores e/ou teólogos a defenda.. e, ou, a relevância desses vultuosos nomes - pouco se me dá -. A minha visão concernente a tal tese é completamente contrária a de muitos; quanto a Pedro e a negação do mesmo, quanto a conhecer e/ou conviver com o Senhor Jesus, idem! Tens razão. Penso, que, diante de uma meta, de um alvo a ser conquistado, desde que nobre, há atitudes no ser humano, que jamais medirão a sua retidão de caráter - nem sempre falamos o que está encravado no coração -. O Pedro traidor para muitos, foi àquele em quem Deus firmou a sua igreja ( Tu és Pedro e sobre ti edificarei a minha igreja), Pedro é rocha é firmeza, por trás do seu gesto pervertido pela humanidade, havia nobreza de caráter e a certeza de que a obra teria que continuar e o seu papel era de líder, o povo estava enfraquecido na fé, amedrontado, precisava dele. A maior prova disso, é que nenhuma igreja confiaria em um líder traidor. A igreja sabia quais as intenções de Pedro quanto a negação de conhecer o Mestre.
Outrossim, quanto ao gesto de Judas Iscariotes -o beijo da traição contra Jesus- é fato, é verdade hermenêutica e incontestável, biblicamente falando. Porém, concernente ao meu escrito, é em parte, simbologia não generalizada. Nós escritores, sabemos onde começa e termina a verdade real, a simbologia, a metáfora e a ficção.
Eu não me atreveria a declarar-te tendenciosa, nem a ti, nem a outros. Simplesmente por primar pela liberdade de expressão escrita -sou escritora -. Como podes ver, comungamos em muito teologicamente. E em momento algum, explicitei o contrário neste contexto.
Quanto ao que te referes sobre -segundo tuas palavras- a negação de Jônatas a seu próprio pai, é puramente questão de visão interpretativa. Para mim e para Cristo, meu pai, minha mãe e meus irmãos são tantos quantos, fizerem a vontade de meu Pai que está nos céus.
Parafrazeando:
A justiça de Deus está acima do sangue e da carne. A VERDADEIRA JUSTIÇA NÃO ENXERGA LAÇOS CONSANGUÍNEOS! Que vos importa agradar a Deus ou aos homens? Digo-vos que, quanto a mim, prefiro agradar a Deus, pois, se eu procurasse agradar aos homens, já não seria digna de ser chamada serva de Deus!
Quanto ao fato de ter sido aquele a quem Jônatas honrou - Davi que ainda não era rei -, por nele haver, no momento, honra e retidão, coisa que ele não achou no próprio pai, e, que, mais tarde, sendo rei, pecou contra Deus adulterando com a bela Bate-Seba, esposa de Urias, um dos seus soldados. E, tendo ele – o rei Davi, armado uma trama diabólica contra Urias, enviando-o para a guerra sem que, jamais voltasse, e, assim, ficando em definitivo com Bate-Seba e como bem lembrastes, desse pecado nascendo Salomão que, de início, demonstrou humildade perante Deus mas, que mais tarde também caiu, por amor aos seus muitos amores, numa contundente prova de que Deus é perfeito e nós, aprendemos com as dores causadas por nossos atos. Até que enfim, cheguemos a estatura de varões perfeitos.
Davi, em decorrência do seu pecado atroz, sofreu até o final de seus dias; e Salomão aprendeu amargamente que tudo é VAIDADE!!
Jamais direi que Deus escreve certo por linhas tortas! Tudo Nele é reto e correto. Nós é que pela dureza dos nossos corações, pretendemos entortar as linhas que Deus escreve. Pois, mesmo que seja o homem infiel, Deus é e será sempre fiel!! E o que Ele determinou se cumprirá!!

Um grande abraço para ti!
Com o meu sempre respeito:
EstherRogessi, Categoria Narrativa. 02/08/10. Em resposta à Escritora e jornalista: Silvia Mendonça.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...