domingo, 12 de setembro de 2010

COBRANÇA INDEVIDA


Naquela saleta, quieta, onde cada um se preocupa em não si mostrar; cada um escondendo a própria realidade, e os seus sentires, vez em quando, olhavam os seus relógios demonstrando a inquietação por desejarem ser atendidos com brevidade, e, assim, poderem sair correndo, sem um “até logo,” rumo as suas prisões sem grades, ou, “a liberdade vigiada.” Cada um estava preocupado em ouvir o diagnóstico do corpo sem se importarem em saber o diagnóstico da alma.

Eu, continuava em silêncio... na observância, discretamente, buscando captar essências e aprendizado com o mais complexo dos seres.
Quantos entravam olhando para o alto, ignorando os que lá estavam...ou, mudos, olhando para os pés.

Foi quando entrou aquela mulher, ainda jovem, mulata bonita, acompanhada por um homem muito mais velho que ela. Grosseiro no falar e tratar. Ríspido pediu os documentos da mulher, que, ao entregá-los..quase ficou sem os dedos, tamanha grosseria daquele homem que penso,um dia, ter sido gentil e amoroso, com aquela que lhe confiou o corpo e a vida.
Teve sonhos dourados que os viu transformados em tenebrosos pesadelos.

Pensei:-Deus! Como serão os momentos íntimos dessa mulher, com esse, que o papel diz ser marido?

-Ela sentou-se perto de mim... sorriu timidamente, com um cumprimento leve. Os seus olhos, não tinham brilho. O brilho da vida, da alegria que irradia do nosso ser; o brilho que vem dos nossos sonhos... Ele, procurou distanciar-se, indo sentar em uma cadeira que ficava na saleta ao lado.
Calmamente ela retirou um caderninho da bolsa e começou a escrever... mergulhou naquela escrita, por um longo tempo. Até que parou, fechou o caderno e colocou-o ao seu lado.

Continuei na observância... Até que fui chamada para assinar uma guia. Na volta, a mulher não mais estava na sala, no lugar que antes ocupara..o caderninho tinha ficado, esquecido.
Perguntei na recepção sobre o casal, queria devolver o que para a mulher parecia um tesouro... A recepcionista, disse: – Saíram de repente, o homem levantou-se irritado por não ser atendido logo, puxou a mulher pelo braço e foram embora às pressas...

Busquei encontrar o nome, endereço, telefone, nada encontrei. Voltei a perguntar a atendente, se ela poderia me fornecer o endereço ou o telefone do casal, para car de desconfiança, respondeu-me:
– Não! É contra as nossas normas...

-Não quis ir adiante.. simplesmente, eu disse: "caso ela volte e procure o seu pertence, lhe autorizo a dar o número do meu telefone, diga que estou com ele..."

-Coloquei-o na minha bolsa. Como entregá-lo em confiança a quem não confiou em mim?

Chegou a minha vez, fui chamada para exames de rotina. E, na volta a casa, a imagem daquela senhora continuava em minha mente. Depois de estar em casa, procurei com mais calma, alguma coisa que identificasse a dona do caderninho... Em vão!
Na busca, li um título que me chamou a atenção: “Cobrança indevida” não me contive, e li o que constatei ser uma poesia existencial:

"Uma vida inteira juntos
Metade da vida... menos da metade, cada um... sendo um.
Para ele, a casa virou hotel... eu, a governanta:
Casa limpa, mesa posta, roupa lavada..e, umas rapidinhas
...que não me dizem nada!
Para mim, o seu menor gesto – pensa ele ser carinho –,
leva-me ao desespero...Repúdio.. minh’alma rejeita!
Pensar que um dia... o quis...!
Para onde foi o amor?
Será que cheguei a ser feliz?
Em qual momento houve a ruptura?
Foram tantos atritos... rachaduras..!
Navalha na carne e ela esfacelada... E, aquelas mãos
...golpeando-me o rosto, e, fazendo-me árida!
Ainda me cobras?"

– Que lindo!
Escritos intensos.. d'alma sofrida! Renúncia de uma vida.
Quantos destes existem nos fundos das gavetas? Alguns largados, esquecidos, como se esqueceu a vida...

Dois anos se passaram...tornei-me herdeira de um tesouro, e, àquela mulher - quase morta -perdeu sua alma!

EstherRogessi. Escritora UBE. Mat. 3963. Cobrança indevida. 12/09/10



Creative Commons License
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Baronesa da Gothia Rogessi de A. Mendes (EstherRogessi). Pernambucana, outorgada com Título Nobiliárquico - Alta Insígnia BARONESA DA GOTHIA da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente, DAMA COMENDADORA da Real Ordem dos Cavaleiros e Damas Rei Ramiro de Leão. Comendadora pelo CONINTER ARTES.. Escritora UBE/SP; Embaixadora da Paz (FEBACLA); Artista plástica, Membro Correspondente de várias Academias de Letras e Artes Nacionais e Internacionais. Consulesa e Comendadora. Tem escritos publicados em Antologias e Revistas Virtuais, no Brasil e exterior. Publicou o seu primeiro livro solo, pela Editora Literarte intitulado "Conflitos de uma alma" Romance ISBN 978-8-5835200-8-5 EstherRogessi recebeu várias premiações nacionais e internacionais.

Tesouros Escondidos...